Pedagogia Waldorf o que é? 10 princípios para entender a filosofia de educação de Rudolf Steiner

Pedagogia Waldorf o que é? 10 princípios para entender a filosofia de educação de Rudolf Steiner

A pedagogia Waldorf é a abordagem educativa desenvolvida pelo pensador austríaco Rudolf Steiner a partir de 1919. As escolas Waldorf, também chamadas de escolas steinerianas, estão presentes em mais de 60 países e são consideradas um dos maiores movimentos educacionais independentes do mundo.

A abordagem educacional da escola Waldorf abrange o intervalo de idades entre a pré-escola e os dezoito anos. Rudolf Steiner, educador e filósofo, é o fundador da antroposofia, da medicina antroposófica e da pedagogia Wardolf.

As primeiras escolas de Steiner nasceram na Alemanha após a Primeira Guerra Mundial e a escola de Stuttgart serviu de modelo para as escolas Waldorf subsequentes.

Conheça melhor esse método de ensino, bem como os princípios básicos que o sustentam.

O que é pedagogia Waldorf

Fundamentada na Antroposofia, essa pedagogia está baseada em atividades educacionais organizadas de acordo com fases específicas do desenvolvimento humano.

Steiner entendia o ser humano a partir de suas relações com os demais seres do mundo, tendo uma visão holística da aprendizagem, que engloba os campos físico, sensível e espiritual. Para o estudioso:

“Na educação, isso significa desenvolver nas crianças as bases para um pensamento claro e preciso, isento de preconceitos e dogmas, o que leva à liberdade; sentimentos autênticos não massificados e que respeitem os demais, num marco de igualdade de direitos e obrigações, e uma capacidade vigorosa de sustentar responsavelmente a fraternidade na vida econômica do futuro”.

É com esse pensamento que no pós-guerra nasce a primeira escola Waldorf em Stuttgart na Alemanha, em 1919: uma escola livre e capaz de se autogerir.

Curiosamente na primeira escola Waldorf estudavam os filhos dos funcionários da Waldorf-Astoria Cigarette Factory (uma fábrica de cigarros), por isso essas escolas passaram a ser conhecidas como escolas “Waldorf”.

No Brasil, a primeira escola Waldorf data de 1956 e hoje já existem mais de 70 delas espalhadas pelo país.

Visão do sujeito e do mundo

Na pedagogia Waldorf, o desenvolvimento dos seres humanos está organizado em setênios (períodos de 7 anos), que apresentam momentos claramente diferenciáveis em necessidades, interesses, habilidades do sujeito.

No primeiro setênio (0 – 7 anos), predomina o desenvolvimento do corpo físico, instrumento de ação.

No segundo setênio (7 – 14 anos), predomina o desenvolvimento anímico. O corpo físico se metamorfoseia em memória, imaginação, ritmo e busca por imagens que estimulem a imaginação e a fantasia.

No terceiro setênio (14 – 21 anos), o jovem entra numa relação totalmente nova com o mundo. Ele vai ficando mais independente, visto que começa a nascer uma interrogação individual sobre tudo o que existe. As forças do sentir começam a coexistir com o desenvolvimento das forças do pensar lógico, analítico e sintético.

A Pedagogia Waldorf visa à conquista da consciência a partir de uma aprendizagem significativa harmônica com o desenvolvimento do aluno. Conforme explicou ao Catraca Livre a professora Marina Negrão, da escola Waldorf Jardim das Borboletas, em São Paulo:

A criança “é educada de forma a observar seu desenvolvimento em três âmbitos: corporal, anímico e espiritual. O currículo todo é desenvolvido nesse sentido. Respeita-se aquilo que cada criança tem como potencial, tudo flui de forma harmônica e orgânica. Ela não é privada de nada, mas tudo é apresentado no momento certo, quando a maturidade corporal, anímica e espiritual existe”.

Como a escola Waldorf funciona e qual metodologia usa

As aulas em uma escola Waldorf não têm nada a ver com o método das escolas tradicionais. Nelas, as crianças têm aulas de crochê, tricô, euritimia, teatro, música, alemão e são alfabetizadas ao final do primeiro setênio, aos 7 anos de idade.

Não existem salas com lousa e carteiras enfileiradas, aparelhos eletrônicos, computadores, cadernos pautados.

As crianças não repetem de ano, pois o aprendizado respeita o ritmo delas.

Não existe cantina vendendo produtos industrializados na escola. As comidas são de verdade e, muitas vezes, produzidas com o que há disponível na horta da escola.

O espaço físico é pensado para favorecer o livre brincar e oferecer autonomia às crianças.

O material didático valoriza o que a natureza oferece: objetos rústicos e naturais, como sementes, pinhas, tocos de madeira, conchas, pedras e raízes. A razão disso é estimular a fantasia das crianças.

A alfabetização na pedagogia Waldorf

Para muitas famílias, a pedagogia Waldorf pode gerar uma insegurança em relação ao processo de alfabetização. Acontece que o método entende que alfabetizar precocemente uma criança é roubar-lhe um tempo precioso da infância no qual ela deve estar dedicada a explorar outras formas de conhecimento, através da expressão livre do seu corpo e do controle sobre ele e suas emoções.

Cada coisa no seu tempo. Na pedagogia Waldorf, bem como na montessoriana (de Maria Montessori), crianças precisam ser crianças sem atropelos. Muitas escolas tradicionais enxergam a criança como um potencial adulto produtivo e competitivo, preparados desde cedo para o mercado de trabalho.

Quanto custa estudar em uma escola Waldorf?

As escolas Waldorf não têm fins lucrativos e, por isso, são autogeridas. Isso significa que há uma Gestão Participativa encabeçada pelos próprios pais dos alunos, cujas principais atribuições são:

  1. facilitar e fazer fluir a comunicação entre as famílias dos alunos e destas com a escola
  2. desenvolver, apoiar e acompanhar as festas e principais eventos da escola;
  3. criar um espaço que acolha e promova a maior participação das famílias dos alunos.

O papel dos pais, ou melhor, das famílias, seja qual for a sua composição, tem como principal função construir um sentido de comunidade a partir da sua integração ao cotidiano da escola. A presença familiar é convocada e festejada pelas crianças nas atividades pedagógicas e a interação entre as famílias é celebrada em encontros estabelecidos em calendário anual, como o Carnaval, a Páscoa, o São João, a Festa da Primavera, o Natal, entre outras festividades.

Algumas escolas Waldorf estão trocando as mensalidades por contribuições” livres”, baseadas na confiança das famílias sem a necessidade de demonstrar renda. Uma espécie de “dá o quanto puder, o quanto achar justo”. O exemplo que vem de duas escolas de São Paulo já está inspirando outras, portanto, converse com a escola da tua cidade para entrar em um acordo sobre o valor das mensalidades.

10 princípios da filosofia da educação de Rudolf Steiner

Conheça 10 princípios nos quais se baseia essa metodologia de ensino (e de vida!).

Antropologia Evolutiva

De acordo com Steiner, a educação deve ser totalmente dedicada às necessidades do desenvolvimento da criança. Fala-se, neste caso, da antropologia evolutiva, que não busca a qualificação profissional e a produtividade econômica, como a educação vem sendo exigida e colocada desde a sociedade industrial. A criança, crescendo, vai aprender a compreender qual será o seu papel no mundo sem qualquer imposição dos pais, das escolas e da sociedade em geral.

A importância das artes

Steiner acreditava que o aprendizado congitivo-intelectual não deveria ser predominante em relação às matérias artísticas, criativas e artesanais. Sendo assim, a pedagogia Waldorf dá bastante espaço para as artes em vez de se basear apenas no clássico estudo sobre os diferentes temas. Elementos artísticos e expressivos devem estar presente em cada aula. Fala-se de “educação artística”.

foto

foto: Resonance Center

O amor pela natureza

A educação Waldorf ensina às crianças o amor à natureza e ao meio ambiente. Assim, o local ideal para a educação das crianças seria o ambiente rural, quase bucólico. A pedagogia Waldorf dá grande importância à agricultura e à origem dos alimentos, sendo muito valorizadas as agriculturas orgânica e biodinâmica.

Inteligência manual

Os ensinamentos práticos da educação Waldorf estão ligados principalmente ao desempenho das tarefas manuais. As crianças, por exemplo, são incentivadas a participarem de oficinas criativas onde a importância da educação artística é dada através do ensino de atividades práticas, tais como o tricô. O trabalho manual tem um valor educativo elevado porque a coordenação mãos-olhos mantém o cérebro em grande atividade.

foto

foto: Waldorf Moraine

As crianças aprendem através de imagens

Crianças em idade pré-escolar ainda não têm conceitos abstratos às suas questões filosóficas, por isso as imagens são muito importantes. A imaginação da criança é cultivada através das imagens que também estimulam a sua capacidade de representação. Os contos de fadas contados para as crianças são acompanhados por imagens ligadas ao mundo da fantasia. Imagens são usadas também para ensinar as crianças a escreverem e fazem parte do modo de falar do professor que usa, por exemplo, “um cadeado sobre a boca” em vez de dizerem “façam silêncio”.

O papel dos contos de fadas

Steiner argumentava que as crianças precisam dos contos de fadas. Ele ressaltava a importância de contar às crianças os contos populares, locais e do resto do mundo, porque os contos não apenas representam um patrimônio cultural inestimável, mas também porque representam um instrumento essencial para o crescimento das crianças, com suas histórias de obstáculos e provações que desenham as etapas da viagem que a criança terá de enfrentar na vida. Os contos de fadas dão conforto às crianças e contribuem para o desenvolvimento da imaginação e da compreensão das suas emoções.

foto

foto: Photobucket

As bonecas Waldorf

As bonecas Waldorf são feitas à mão, são macias e ajudam a criança a desenvolver a imaginação. A sua principal característica é a má definição de seus detalhes faciais pois a boneca precisa deixar espaço para a imaginação da criança. Desta forma, as crianças podem associar às bonecas, as emoções e expressões que elas preferirem. Para Waldorf as bonecas também são consideradas uma ferramenta importante para facilitar a criança no diálogo consigo mesma.

Pedagogia curativa

Steiner criou uma abordagem educativa original, a pedagogia curativa, que visa acompanhar o processo de evolução da criança e do adolescente, considerando as necessidades específicas de cada etapa do desenvolvimento e, principalmente, nos momentos em que estes se deparam com os obstáculos e as dificuldades da vida. Também chamada de educação terapêutica e terapia social, o método também considera as imperfeições fiscais, pesquisas e espirituais dos indivíduos.

foto

foto: Emerson Waldorf

Emulação e experimentação

As crianças aprendem por imitação, como quando imitam as atividades de seus pais, e através da experimentação, isto é, se passando em primeira pessoa pelas experiências, o tanto quanto possível.

Professores são educadores

Nas escolas Waldorf, os professores são verdadeiros educadores, particularmente nos primeiros oito anos de escola, durante os quais permanecem responsáveis ​​pela mesma classe. Também é dada muita importância ao ensino de língua estrangeira a partir do primeiro ano da escola. O ensino das línguas é feito através de jogos, conversas e performances.

E então, o que você achou da pedagogia Waldorf? Está pensando em colocar teu filho em uma escola steineriana? Conta pra gente!

Talvez te interesse ler também:

ESCOLA DOS SONHOS: O QUE É PRECISO CONSIDERAR NA HORA DE ESCOLHER A ESCOLA

MÉTODO MONTESSORI: 10 PRINCÍPIOS PARA EDUCAR CRIANÇAS FELIZES

BRINCADEIRAS DE RUA: VÍDEO VIRA HIT E FAZ PENSAR

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *