Repelente em crianças e bebês pode? O que usar?

Repelente criança

Mosquito no ar? Cuide das suas crianças! Mas os pais se perguntam se pode e como podem passar repelente em crianças e bebês. Veja algumas ideias para você proteger os seus pimpolhos da picada de qualquer mosquito ou pernilongo, muriçoca ou borrachudo. O que importa é proteger a pele dos pequenos, e a sua também pois, fora os vírus e outros microorganismos que possam ser transmitidos, também tem o incômodo das picadas e, em muitos casos, as crises de alergia, tão chatas e dolorosas.

Proteja sua pele e a das crianças, com todas as possibilidades que você tenha.

No caso dos bebês, os pediatras em geral desaconselham qualquer tipo de repelente comercial antes dos 6 meses de idade. Depois disso, alguns médicos sustentam que devemos preferir repelentes com determinados componentes para que dê resultado no espantar o mosquito aedes. Sei lá! Eu, particularmente, fujo do uso dos repelentes com químicos, por mais inócuos que se diga que são.

Eu recomendo os repelentes feitos à base de óleo essencial de citronela, de cravo, canela, alecrim, manjericão, melaleuca e eucalipto - esses são cheiros saudáveis e dos quais mosquito nenhum gosta. A questão é encontrar um produto que tenha persistência na pele sem ter uma montanha de químicos para atrapalhar.

Aliás, de todos os óleos acima mencionados, o que tem demonstrado mais eficaz e persistente efeito contra o Aedes aegypti é mesmo o óleo de eucalipto, especialmente o da variedade Eucaliptus globulus que é riquíssimo no óleo essencial eucaliptol.

Sim, porque não adianta proteger a saúde com um produto que, a longo prazo te trará um problema mais grave, não é?

Crianças poderiam usar repelentes feitos com produtos naturais, isso já é sabido, mas é preciso mesmo consultar um pediatra mesmo para usar repelentes naturais comerciais, uma porque a eficácia pode não ser ótima e outra porque, mesmo naturais, podem causar alergias.

O que fazer?

Soluções naturais

 

Óleos essenciais

Se colocar o repelente natural comercial diretamente na pele da criança pode ser arriscado, que tal colocar o óleo essencial das ervas acima mencionadas, na roupa ou no carrinho do bebê? Ou seja, em um lugar perto mas não NO bebê. Sempre com o cuidado de perceber se o cheiro, apenas o cheiro, pode causar alergia  ou irritação na criança. 

Tule

Lembre-se também de colocar telas nas janelas e portas de sua casa, mosquiteiros nas camas, de adultos e crianças e, claro, um mosquiteiro no carrinho de bebê. Pode ser até mesmo um tule com um elástico costurado em casa mesmo.

Antigamente o mosquiteiro fazia parte de qualquer enxoval, era de uso contínuo nas casas brasileiras, e deve voltar a ser.

Plantas e odores repelentes

Também é bom e ajuda ter dentro de casa vasos de plantas que espantam mosquitos, como o alecrim, o capim-santo, a erva-cidreira, a citronela, a camomila, os tajedes, e muitas outras, que podem ficar nas suas janelas e cantos mais ou menos sombreados.

Outra forma de espalhar cheiros bons, em casa, é ter ramalhetes de folhas e flores, pendurados nos cantos, ou como sachets, nos armários. As flores de alfazema, por exemplo são ótimas dentro de armários pois, para além de espantarem os mosquitos, afastam também as traças.

Roupas de cores claras

Outra opção natural é cobrir as partes expostas da criança e do bebê com tecidos naturais, algodão por exemplo que é fresco. Mas nesse calor é duro manter as crianças com roupas de manga e calças compridas. Enfim, se o calor não estiver de lascar, ou à noite, vale a pena esse método que além de natural, protege razoavelmente bem. Use cores claras, branco de preferência.

Repelentes para crianças e bebês

Mas, se a sua opção é o repelente comprado em farmácia, aconselho você a ter em conta as orientações dadas pela dermatologista Ana Regina Trávolo em entrevista à Rádio EBC (ouça a íntegra da entrevista aqui).

Segundo a sua orientação, não use repelentes em bebês de zero até os seis meses de idade, e desta até os dois anos, só use repelente cuja base seja o IR3535. Para crianças acima de dois anos pode-se usar também o repelente à base de IcaridinaDEET.

O repelente químico tem limite de passar no corpo, o repelente natural não tem. Mas, enfim, se você usar o repelente químico, alerta a dermatologista, que este só deve ser passado uma vez ao dia, nos bebês menores, e sua duração é, em média, de 4 horas, portanto, você deverá usar também outras medidas de proteção na sua criança, e sobre essas, já falamos acima, não é?

Manter seu bebê em locais bem ventilados, com telas e mosquiteiros para além de roupas de pernas e mangas compridas são uma solução.

Como usar o repelente em crianças?

O uso de repelentes químicos a partir dos dois anos e até os sete, pode ser de até duas vezes ao dia e, para os mais velhos, incluindo gestantes e adultos, até 3 vezes ao dia.

Também é bom lembrar dos horários nos quais os mosquitos estão mais ativos, e aumentar a proteção: o aedes está mais ativo entre as 9 da manhã e às 3 da tarde, já o culex, entre as 5 da tarde e as 8 da noite. O anopheles, prefere horários de final de tarde e começo de manhã. Vendo bem, o dia todo teremos algum mosquito, pois o culex também é ativo a noite toda.

Dá-lhe tela nas janelas e mosquiteiros nas camas. Óleos essenciais, plantas repelentes e roupas de manga comprida. Tudo vale a pena e a atenção não deve ser pequena. Manter a casa limpa, sem água parada e também na vizinhança deve ser lembrado. Veja abaixo outras dicas para manter os mosquitos longe da  nossa família.

Leia também:

seta

PROPAGAÇÃO DO MOSQUITO E MEIO AMBIENTE: POR QUE É DIFÍCIL COMBATER O AEDES?

seta

ZIKA VÍRUS: PREVENIR É FUNDAMENTAL, CONHEÇA 7 AÇÕES PARA PREVENÇÃO