Brasil: saneamento básico e crianças

Brasil: saneamento básico e crianças

O saneamento básico ainda é um grave problema a ser resolvido no Brasil. E o pior, é que uma das regiões brasileiras com as condições mais precárias de saneamento, possui a maior proporção de crianças: o Norte.

A região tem cerca de 40% de sua população composta por crianças e jovens de até 18 anos de idade, e também a pior cobertura de saneamento básico e de acesso à água tratada do Brasil, com 67% das residências sem rede de esgoto ou fossas sépticas e 45% não têm rede de água potável.

Os números são do Censo 2010 e foram revelados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pela pesquisa. A divulgação ocorreu por meio de publicação no Cenário da Infância e Adolescência no Brasil 2015, divulgado no dia 10 de junho pela Fundação Abrinq – Save the Children (Salve as Crianças).

A publicação é um livro de bolso que conta ainda com os números e estatísticas de órgãos como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e os ministérios da Educação e da Saúde em áreas como moradia, violência, mortalidade infantil, acesso a creches, cultura e lazer.

“Temos divulgações separadas de dados de diversas áreas e ao vê-los reunidos e detalhados conseguimos enxergar como as vulnerabilidades sociais combinadas afetam de forma significativa a infância”, disse a administradora executiva da Fundação Abrinq, Heloísa Oliveira.

O Nordeste, com a segunda maior proporção de crianças e jovens de até 18 anos de idade, com 34% do total de sua população, figura na segunda colocação com o pior saneamento básico do país, 54% sem rede de esgoto.

O Norte também fica em desvantagem quando o assunto é acesso à educação e a taxa de cobertura de creches. No Sudeste, a melhor cobertura do país, chega a 31%, enquanto que no Norte, não passa dos 8%. Uma discrepância alarmante.

Os dois casos precisam de cuidado urgente, pois, mesmo que mais creches e escolas sejam construídas, ainda faltará cuidar da saúde das crianças e adolescentes, fator extremamente ligado ao desempenho dos jovens na escola.

Leia também: 12 de junho: “Não ao Trabalho Infantil e Sim à Educação de Qualidade”

Fonte foto: disciplinas.stoa.usp