12 de junho: “Não ao Trabalho Infantil e Sim à Educação de Qualidade”

Trabalho Infantil

Desde 2002 o mundo comemora no 12 de junho o Dia Internacional Contra o Trabalho Infantil, que corresponde à data de apresentação do primeiro Relatório Global sobre o Trabalho Infantil na Conferência Anual do Trabalho da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Todos os anos, a sociedade é convidada a refletir sobre essa triste realidade que é o trabalho infantil, a exploração de crianças em benefício do lucro de empregadores. Não só a refletir, mas a sociedade, como um todo, também é convocada a se mobilizar, a tomar atitude, a lançar políticas públicas, a fiscalizar com mais afinco, a criar leis de proteção à infância e ao trabalhador, que pode ser explorado e escravizado em qualquer idade.

No Brasil, o dia 12 foi instituído como Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil pela Lei Nº 11.542/2007. Todas as mobilizações e campanhas nesse sentido são coordenadas por um Fórum Nacional e Fóruns Estaduais de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil.

O lema de 2015 é “Não ao Trabalho Infantil e Sim à Educação de Qualidade”, assumido mundialmente para impulsionar políticas públicas que efetivamente acabem com a necessidade de trabalho infantil, com a ocorrência de trabalho ilegal e escravo assim como, pela educação, a formação da consciência cidadão do ser humano que é, no fundo, o motor de toda e qualquer mudança.

O símbolo da campanha 2015 é o cata-vento. Um cata-vento de cinco pontas coloridas (azul, vermelha, verde, amarela e laranja) foi assumido internacionalmente como ícone da luta contra o trabalho infantil neste ano. O cata-vento expressa a alegria que deve estar sempre presente na vida das crianças e adolescentes, e também, o movimento, a sinergia e as ações permanentemente realizadas para que a prevenção seja maior e a erradicação, total, do trabalho infantil.

Lembramos da importância de comprar conscientemente. Além de evitar as marcas flagradas na exploração do trabalho, é importante evitar de comprar por impulso, apenas porque um produto custa pouco, o que contribui para este mecanismo de produção barata, que geralmente envolve o trabalho escravo. Podemos fazer a nossa parte tentando não nos deixar seduzir pelo prazer de comprar, comprar e comprar, em que o sistema capitalista nos colocou. Poderíamos ser muito mais felizes em um mundo onde não houvesse exploração de crianças, onde não houvesse pobreza e fome. 

Leia também: 

Ensine as crianças a dizerem não ao consumismo

Unicef se declara contra a redução da maioridade penal no Brasil

Fonte foto: wikipedia.org