Leite materno: um superalimento. Amamentar é bom para a mãe e para o bebê

Leite materno: um superalimento

Para muitos de vocês pode parecer óbvio: o aleitamento materno é fundamental para a saúde do bebê e também da mãe. Ainda assim, por incrível que pareça, existem pediatras que aconselham o leite artificial às mães que podem tranquilamente amamentar, desprezando a qualidade do leite materno e os benefícios deste superalimento natural.

É claro que, se a mãe não tem leite (embora a maioria dos especialistas concordem que não existe mãe sem leite, às vezes é só uma questão de ter paciência e confiança para o leite vir) torna-se necessário o uso do leite artificial para alimentar o bebê. Isso não significa que temos de incentivar as mães a usarem esta alternativa por conveniência, uma vez que até mesmo a Organização Mundial da Saúde reconhece e promove o aleitamento materno durante os primeiros 6 meses de vida da criança.

Mas quais são os benefícios da amamentação? A criança com o leite materno pode lentamente constituir sua flora intestinal e seu próprio sistema imunológico, o que irá defendê-la do mundo externo, do qual ela foi protegida no útero durante os 9 meses de gestação. As crianças que foram amamentadas exclusivamente com leite materno nos primeiros 6 meses de vida, são melhor protegidas de alergias, asma, dermatite, diabetes mellitus, obesidade; têm um risco 36% menor de haver a SIDS (síndrome da morte súbita infantil) e 52% de desenvolver a doença celíaca.

Se a criança nasceu prematuramente é ainda mais crucial para a sua saúde alimentá-la com o leite humano, talvez vindo de bancos de leite que recolhem este precioso alimento de mulheres que decidem doar, porque o tem em abundância.

E para as mães, muitos benefícios: tem sido comprovado cientificamente que as mulheres que amamentaram são menos propensas a desenvolver câncer de mama e osteoporose.

A tarefa dos médicos, e também das instituições, é informar às mulheres sobre a importância do leite materno para a própria saúde e a do bebê, e apoiar as mães para que tenham liberdade, tempo e informação sobre como amamentar na primeira vez após o parto, e como levar adiante o aleitamento materno, mesmo quando as mães retornam ao trabalho.

Felizmente, nosso país segue nessa linha de pensamento. O importante é dar apoio às mães para que façam este trabalho tão importante e, por vezes, difícil, mas que rende frutos dos quais, sem dúvida, lhe darão grande satisfação!

Leia também: Too young to drink: uma campanha chocante contra o consumo de álcool na gravidez