/viver/costume-e-sociedade/8339-desigualdade-como-sair-da-pobreza

Desigualdade: é possível sair da pobreza com essa profunda concentração de renda?

  • atualizado: 
desigualdade social

O mundo nunca foi um lugar muito justo: uns têm muito, enquanto outros têm muito pouco. Mas a sensação, recentemente, é que a fenda da desigualdade está se tornando mais abissal.

Tal sensação é corroborada pelas estatísticas, que afirmam que a concentração de renda, em todo o mundo, está cada vez maior. Entre países e dentro deles é visível o aumento da desigualdade social, que abrange não apenas o fator renda, como, também, condições de oportunidade e acesso a serviços.

A Organização das Nações Unidas (ONU) lançou um alerta, no Fórum Político de Alto Nível, em Nova York, sobre as ameaças que vêm impedindo os progressos para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em 2030, informou o El Pais. De acordo com Máximo Torero Cullen, vice-diretor-geral do departamento de desenvolvimento econômico e social da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO):

“A desigualdade faz com que os pobres e marginalizados tenham menos oportunidades de sair da pobreza”. Para que isso não aconteça, segundo ele, é preciso “alcançar progressivamente e manter o crescimento da renda dos 40% mais pobres da população a uma taxa superior à média nacional”.

A estimativa da ONU em 69 dos 92 países comparados é que os 40% dos pobres aumentaram a sua renda, no período de 2011 a 2016, mas com variações territoriais. Apesar desse aumento, essa parcela ainda recebeu menos de 25% da renda total nacional.

O que é a pobreza

Para reduzir a pobreza, é preciso entender melhor esse conceito. Para o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a Iniciativa sobre Pobreza e Desenvolvimento Humano de Oxford (OPHI, na sigla em inglês), entidades que elaboram anualmente o Índice Global de Pobreza Multidimensional, existe 1,3 bilhão de pessoas multidimensionalmente pobres nos 101 países de renda baixa e média analisados. As carências desse contingente humano envolvem saúde, educação e qualidade de vida.

O estudo do PNUD reforça que é preciso saber onde as pessoas pobres estão para combater a pobreza. Só assim os governantes de cada país poderão tomar medidas efetivas e eficazes para esse propósito. Um exemplo é a Índia, que conseguiu em uma década (2006-2016) retirar da pobreza 271 milhões de pessoas.

Uma medida de combate à pobreza ilustrada por Sabina Alkire, diretora da OPHI, é que há países que não tiveram crescimento econômico, mas conseguiram reduzir multidimensionalmente a pobreza.

Grupos vulneráveis

Quem são as pessoas mais afetadas pela pobreza? Ainda na esteira da reportagem de El Pais, de acordo com o Índice de Pobreza para Multidimensional, são, principalmente, as pessoas que vivem em áreas rurais, as mulheres e as crianças. Elas são mais carentes em relação ao acesso à água potável, educação, nutrição adequada e moradia digna. Nos países da África subsaariana, 63,5% das crianças são pobres – em Burkina Faso, Chade, Etiópia, Níger e Sudão do Sul, 90% das crianças menores de 10 anos estão nesse grupo.

Um outro grupo vulnerável é o dos homossexuais. O membro do Tribunal Constitucional da África do Sul, Justice Edwin Cameron, em seu discurso na assembleia da ONU, alertou para os vários tipos de discriminação que levam à criminalização. Ele deu como exemplo a sua própria história.

“Como homem gay orgulhoso em uma África do Sul homofóbica pré-democrática, vi e experimentei o medo de poder ser detido, preso e condenado que pode sentir uma pessoa gay. Entre os países representados aqui na ONU, 69 ainda criminalizam as relações entre pessoas do mesmo sexo, a maioria no meu continente: a África”.

As perseguições a homossexuais, a quem pratica a prostituição e a quem consome drogas os deixam vulneráveis. Cameron destaca o caso de portadores de HIV que, por serem criminalizados, deixam de receber tratamento adequado para a doença.

Aumentando o grupo dos vulneráveis estão os trabalhadores informais. A professora de políticas públicas da Harvard Kennedy School e assessora principal da rede global Mulheres no Emprego Informal: Globalizando e Organizando (WIEGO, na sigla em inglês), Martha Chen, informa que eles representam 61% dos trabalhadores do mundo, cerca de 2 bilhões de pessoas, das quais 90% vivem em países pobres. As minorias étnicas e as mulheres compõem a maioria dos trabalhadores na informalidade.

Consoante a especialista, a relação do trabalho informal com a desigualdade é que os trabalhadores nessa condição sofrem de carências como: trabalho digno, direitos, proteção, acesso à moradia e a serviços sociais, inclusive, canais para se expressarem. Além disso tudo, eles são estigmatizados socialmente, penalizados e até criminalizados por tentarem trabalhar honestamente.

Um exemplo disso está nas ruas do Brasil. Quantos vendedores ambulantes e recicladores de lixo são detidos? As prefeituras, no lugar de recolher as suas mercadorias, poderiam mapear esses trabalhadores e dar a eles condições legais para exercerem a sua atividade. Se consideramos que, em épocas de crise econômica, a informalidade tende a aumentar, penalizar e criminalizar esses trabalhadores é que é um crime, cometido pelo próprio Estado.

Chen sugere que os ambulantes sejam apoiados com facilidades para trabalhar em “espaços públicos centrais e seguros” e que os recicladores tenham “espaços de armazenamento”. Ela defende que: “Temos de acolhê-los em vez de estigmatizá-los e penalizá-los. O entorno político e jurídico deve priorizar os empregados que estão na base da pirâmide. Fala-se muito em criar empregos, mas às vezes se tomam decisões em cidades que, literalmente, destroem dezenas de milhares deles, de vendedores ambulantes e coletores de resíduos”.

Os idosos também fazem parte do grupo de vulneráveis. Considerados um fardo, eles precisam ser vistos como importantes para o desenvolvimento social e econômico dos países.

Nessa lista também estão as mulheres, sobretudo, as do sul global. As mulheres ganham menos do que os homens e estão em uma defasagem política que levaria 107 anos para atingir a equidade.

A desigualdade é um problema de todos

Não apenas os pobres são vítimas da desigualdade: os ricos também são. Redistribuir a riqueza é uma medida urgente para acabar com o fosso que a concentração de renda estabelece. E não há outra maneira de fazer isso se não quem ganha mais contribuir mais, lutar contra os paraísos fiscais e a evasão de impostos.

Outra responsabilidade dos ricos, falando em termos de nação, é que os países mais desenvolvidos têm uma responsabilidade maior sobre a questão climática. O pensador uruguaio Roberto Bissio, secretário internacional do Social Watch, comenta que: “Nos exames nacionais de acompanhamento dos ODS, os países não falam oficialmente da desigualdade, nem dos impactos extraterritoriais de suas ações, não apenas o que tem a ver com o clima, mas também com os paraísos fiscais, a exportação de armas. Acontece que as ações positivas relatadas pelos países escondem diversos impactos negativos.

Estamos vendo a desigualdade afetar nações ricas, sobretudo, as europeias, fazendo aumentar o radicalismo e o populismo em seus territórios por causa do empobrecimento da classe média nos últimos anos. Essa classe, distante dos ricos e afetada pela piora na prestação de serviços públicos e pelo desemprego, tem-se voltado para partidos de extrema direita com pautas nacionalistas.

O economista Branko Milanovic, autor de "Global Inequality" (Harvard University Press), faz uma leitura de que, atualmente, existe um "voto de protesto" contra a ausência de programas que acolham os problemas da classe média, divulga uma reportagem da Folha de S. Paulo. Caso não sejam estancados, tais problemas podem afetar o crescimento econômico.

Entretanto, como enfatiza Martin Wolf, comentarista-chefe no jornal britânico The Financial Times, soluções fáceis como o Brexit e as defendidas por Donald Trump, Jair Bolsonaro e Mateo Salvini, entre outros expoentes do radicalismo, não resolverão o problema, pelo contrário, só o ampliará, uma vez que em momentos de crise as pessoas tendem a culpar alguém, em geral, algum grupo em vulnerabilidade.

O economista Lucas Chancel, um dos coordenadores do Relatório da Desigualdade Global, considera que a globalização fracassou para muitos. Logo, é preciso reorganizar a integração econômica global para evitar "reações violentas" no futuro. Em entrevista para a Folha, ele questiona até que ponto aceitaremos os atuais níveis de desigualdade, que culminam em um ponto central para as democracias modernas: discutir sobre como a riqueza deve ser compartilhada.

Talvez te interesse ler também:

TORNEIRA SECA: PARA UM QUARTO DA POPULAÇÃO MUNDIAL, A ÁGUA JÁ É UM LUXO

BRASIL, UM PAÍS DE DESIGUALDADES ATÉ NO SOBRENOME

ARTISTA USA COLAGENS PARA MOSTRAR DESIGUALDADES NO MUNDO

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!