Dia Internacional da Erradicação da Violência contra a mulher, tragédia a ser lembrada

Dia Internacional da Erradicação da Violência contra a mulher, tragédia a ser lembrada

Atos bárbaros e sanguinários movido pelo ódio às mulheres motivou o nascimento do Dia Internacional da Luta Contra a Violência à Mulher, proclamado no ano de 1999 pelo Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (UNIFEM).

O órgão das Nações Unidas declarou a data de 25 de novembro como o Dia Internacional de Erradicação da Violência contra a Mulher, e o dia 6 de dezembro para lembrar a morte de mulheres assassinadas pelo machismo.

Difere do dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher, porque embora também sirva para lembrar de lutas e direitos, serve, principalmente, para enaltecer as mulheres, reconhecer seu valor e principalmente, discutir questões de paridade e igualdade de gênero.

Já os dias 25 de novembro e 06 de dezembro, são sinônimos da violência e de tragédia, de morte e estupidez, brutalidade, machismo e poder que os homens “achavam”, ainda acham, infelizmente, que exerciam sobre as mulheres.

  • A história

No dia 25 de novembro de 1960, as irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, conhecidas como “Las Mariposas”, foram brutalmente assassinadas pelo ditador Rafael Leônidas Trujillo, da República Dominicana. As três combatiam o regime ditatorial e tiveram seus corpos encontrados no fundo de um precipício, estrangulados, com os ossos quebrados.

No dia 6 de dezembro de 1989, um rapaz de 25 anos, chamado Marc Lepine, invadiu uma sala de aula da Escola Politécnica, na cidade de Monteral, Canadá e ordenou que os homens (aproximadamente 48) se retirassem da sala, permanecendo somente as mulheres. Gritando: “você são todas feministas!?”, esse homem começou a atirar enfurecidamente e assassinou 14 mulheres, à queima roupa. 

Em seguida, Marc suicidou-se e deixou uma carta com uma lista de 19 feministas que ele pretendia matar, afirmando que havia feito aquilo porque não suportava a ideia de ver mulheres estudando engenharia, um curso tradicionalmente dirigido ao público masculino. 

Esse ato bárbaro motivou o lançamento da Campanha do Laço Branco (White Ribbon Campaign): homens pelo fim da violência contra a mulher. 

  • Campanha do Laço Branco

O Laço Branco é uma campanha internacionalmente conhecida que existe há 24 anos no Canadá e ocorre todo dia 06 de dezembro, para lembrar do trágico assassinato das estudantes de engenharia em Montreal. (https://www12.senado.leg.br/institucional/procuradoria/comum/laco-branco-homens-poderao-expor-apoio-no-combate-a-violencia-contra-mulher#:~:text=O%20La%C3%A7o%20Branco%20%C3%A9%20uma,alega%C3%A7%C3%A3o%20de%20que%20odiava%20feministas.)

Essa campanha surgiu com o objetivo de envolver os homens pelo fim da violência contra à mulher, afinal de contas, nesse contexto doméstico, cultural, machista decorrente do sistema da sociedade patriarcal, são os homens que praticam violência contra a mulher, em 100% das vezes.

Se ele não foi o agente, ele foi omisso ou conivente. 

É só pensar em como as mulheres são tratadas em delegacias, tribunais, hospitais, IMLs e afins.

Então o objetivo é que a campanha atinja os homens e também às mulheres, sempre, mas a estratégia é trazer os agentes para debater, pensar e falar sobre esse tema.

Para fortalecer essa luta e garantir que o resultado seja alcançado, elimina muitos obstáculos e facilita as ações, se todas as partes estiverem envolvidas, principalmente quem é parte efetiva do problema, para não dizer que é o problema, senão os homens.

  • Como a campanha acontece

É comum que cidades, principalmente capitais brasileiras, mas também aquelas onde existam conselhos municipais da mulher, secretarias especiais das mulheres ou órgãos voltados para o combate à violência contra à mulher, como os CRAMs – Centro de Referência e Atendimento à Mulher vítima de violência, ocorram campanhas do Laço Branco nessa época.

Normalmente as atividades desenvolvidas utilizam estratégias como comunicação em rede e sensibilizações comunitárias, sobretudo com jovens do sexo masculino, em parceria com diferentes instituições, particularmente organizações do Movimento de Mulheres, distribuindo laços brancos, camisetas e folhetos informativos, eventos, caminhadas, apitaços, debates, campanhas informativas e orientação psicossocial.

Infelizmente por causa da pandemia, os atos deste ano ficaram restritos às redes sociais, só não podem passar em branco!

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *