Sem esperança, Geração Z acredita mas não faz nada pela mudança climática

Sem esperança, Geração Z acredita mas não faz nada pela mudança climática

A Geração Z é frequentemente elogiada por inaugurar uma onda verde de ativismo ambiental, ao mesmo tempo em que é inerte para provocar mudanças reais sobre a atual situação climática.

Os nascidos entre as décadas de 1990 e 2010 são considerados pertencentes à Geração Z, os quais se caracterizam, também, por serem nativos digitais. Essa geração nasceu junto com a morte das grandes utopias, representada pela queda do muro de Berlim.

Se a geração anterior a essa viveu um “boom” desenvolvimentista, a Geração Z nasce mergulhada no seu declínio, que está relacionado ao novo regime climático, segundo o qual a Terra e todos os seres que a habitam são finitos.

Sinônimos da desesperança

A Geração Z é considerada por alguns como um sinônimo da desesperança.

Seus indivíduos, representados através de um meme conhecido como “doomer”, são associados a uma espécie de pesquisador de tendências da atualidade que acredita no colapso ecológico, mas é incapaz de agir para evitá-lo.

Não que os “doomers” não queiram a mudança, é que lhes falta uma vontade profunda que os motive a promovê-la.

Esse estereótipo que povoa as redes sociais estampou o Instagram do The Guardian, que dedicou uma análise ao niilismo dos “doomers” climáticos para desmistificá-los.

O jornal inglês ouviu alguns jovens para entender o que pensam sobre o futuro. A fala deles mostra uma falta de fé em qualquer tipo de mudança.

https://www.instagram.com/p/CFdRyXSBfNZ/?utm_source=ig_web_copy_link

O futuro não lhes apresenta qualquer segurança e estabilidade e, por isso, essa geração parece não se sentir compelida a planejá-lo.

Sem saber como agir, apensar de reconhecerem que existe um problema comum a todos, a mutação climática – para usar a expressão do antropólogo francês Bruno Latour -, os “doomers” estão paralisados por causa do medo e da falsa noção de que é tarde demais para fazer alguma coisa.

Existe uma saída?

Existe sim e em seu mais recente livro, “Onde aterrar: Como se orientar politicamente no Antropoceno”, Latour propõe o óbvio: o único lugar onde aterrar é na Terra e isso significa um esforço de cientistas de diversas áreas, políticos, ambientalistas e formadores das opiniões públicas para criar um afeto político do comum.

Biocídio

As chamadas elites financeiras já sabem da transformação climática há cerca de 50 anos e investiram, desde então, massivamente em desinformação.

Esta segue sendo propalada por alguns políticos (representantes de tais elites) que negam a mudança climática, apesar de todas as evidências do contrário.

Esse gesto suicida desorientou grande parte da população mundial, que se sente incrédula com a real possibilidade de um colapso climático.

Um efeito disso é a pandemia do coronavírus preocupar mais as pessoas do que a sua própria causa, como explica o professor de Mudanças Climáticas, Instrumentos e Políticas da Universidade de Turim, Marco Bagliani:

A epidemia de coronavírus se desenvolve em uma escala de tempo curta e respeita os períodos de atenção típicos, enquanto as mudanças climáticas variam em uma escala de tempo mais longa. Falando em espaços, a epidemia tem seu lugar: cidades, hospitais, um navio em quarentena, enquanto a crise em nosso planeta não se desenvolve necessariamente sob nossos olhos.

Por isso, a única forma de reagir ao negacionismo é com informação e usá-la para a criação de um laço de pertencimento que nos faça aterrar naquilo que temos em comum, nosso terreno de vida.

Recriar o comum

A desesperança da Geração Z nasce justamente dessa ausência de um espaço comum que a promessa da globalização ajudou a criar.

Embora o mundo possa parecer pequeno para os nossos sonhos e desejemos estar em contato com o Outro, todo mundo parte de algum lugar.

Os “doomers” parecem não saber de onde são e nem para onde vão. Essa desorientação afetiva fez com que eles se sentissem desterrados.

É preciso que eles e todos nós aprendamos, juntos, como aterrar recriando um espaço comum de vida.

Talvez te interesse ler também:

Sem água, sem tudo: incêndio consome 83% das terras do povo Guató. Como ajudar

Lixo humano: pinguim morre com máscara de coronavírus no estômago

Tráfico de animais, um crime perverso sustentado por você!

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *