©Youtube

Kamala Harris: ‘Eu posso ser a primeira, mas não serei a última’

Kamala Harris, a primeira vice-presidente mulher dos EUA em seu primeiro discurso disse “Eu posso ser a primeira, mas não serei a última” a ocupar este cago.

Filha de mãe indiana e pai jamaicano, a mistura étnica da vice parece fazer renascer o orgulho da miscigenação norte-americana que tanto caracteriza o país.

A eleição de Kamala Harris para representar a número 2 no novo governo é um fato histórico. Ocupar um cargo de tão alto prestígio nem deveria ser notícia, mas é!

Mulheres raríssimas vezes ocupam postos estratégicos na política e na economia mundial. Com algumas raríssimas exceções, por mais que em proporção o número de homens e mulheres seja praticamente o mesmo,  a representação do gênero feminino em postos de poder e decisão fica a desejar. E os motivos são muitos: culturais, principalmente.

É hora de mudar isso e isso já está mudando.

Kamala Harris é a personificação feminina do american dream. Ela encontrou naquela terra das oportunidades A oportunidade. De advogada, passou a ser procuradora-geral da Califórnia, a mais alta autoridade judicial do estado, e agora vice-presidente dos Estados Unidos.

Mas embora eu possa ser a primeira mulher neste cargo, não serei a última. Porque cada menina que me assiste esta noite, vê que este é um país de possibilidades, e para as crianças do nosso país, independentemente do seu sexo, o nosso país enviou-lhes uma mensagem clara: sonhem com ambição, liderem com convicção e vejam-se de uma forma que os outros não possam se ver, simplesmente porque nunca se viram assim antes”, disse a nova vice (tradução livre).

Que assim seja! Um mundo melhor, e mais équo, é possível

Talvez te interesse ler também:

O que a Justiça tem contra as mulheres? Mariana Ferrer e todas outras

Supremacia das mulheres: uma nova era se aproxima

Na Espanha, mulheres e homens passam a ter equidade salarial

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É fundadora e redatora-chefe em GreenMe Brasil.

Veja Também

No Japão suicídio mata MUITO mais que Covid-19

Somente em outubro, no Japão, morreu mais gente por suicídio do que por Covid-19 em …

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *