Ativista negra cortada da foto com Greta em Davos: composição ou racismo?

São várias as causas pelas quais nós temos que lutar se quisermos viver em um mundo melhor para todos.

A sueca Greta Thunberg tornou-se um símbolo da luta climática em todo o mundo e, talvez, esta não terá de ser a sua única frente de ação se desejar viver em um mundo mais igualitário.

Greta participou de um episódio no qual uma ativista de Uganda, Vanessa Nakate, foi vítima de racismo.

Cinco jovens ativistas posaram para uma foto oficial em Davos. Quatro deles, incluindo Greta, são brancas e Nakate, a única negra, foi cortada da fotografia em uma edição da Associated Press (AP), agência de notícia dos Estados Unidos. Outras agências também tiveram uma atitude afrontosa, como a Reuters, que errou o nome da ativista ugandense, confundindo-a com outra ativista negra, Natasha Mwansa, de Zambia.

Greta escreveu uma mensagem de solidariedade à colega, segundo a Revista Forum:

“Sinto muito que tenham feito isso com você… Você é a última que mereceria isso! Estamos todos gratos pelo que você tem feito e todos mandamos amor e apoio! Espero te ver de novo”.

Composição da foto

O diretor de fotografia da AP, David Ake, saiu em defesa do fotógrafo argumentando que ele decidiu cortar Nakate da foto por razões “de composição”, já que havia um prédio atrás da jovem que “seria uma distração do foco”.

Em um vídeo, Nakate comenta sobre como os negros são apagados das discussões sobre o clima, sendo que a África é uma das regiões do mundo mais afetadas pelo aquecimento global. Apagá-la da fotografia não foi um atitude somente contra ela, mas um gesto de apagar do mapa um continente.

“Nós não merecemos isso. A África é o continente que menos emite carbono, mas somos o mais afetado pela crise climática. Vocês apagarem nossa história não vai mudar nada”.

Não é apenas a questão climática que deve nos unir, mas a luta por um mundo no qual todos nós sejamos respeitados em nossas diferenças.

Talvez te interesse ler também:

Auschwitz, 75 anos depois: um vídeo que dá a noção do tamanho dos campos e do número de vítimas

Mutismo seletivo: o transtorno psicológico diagnosticado em Greta Thunberg

Além de Greta: outros jovens ativistas que lutam pela Terra

Fonte foto

Sobre Gisella Meneguelli

Gisella Meneguelli
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.

Veja Também

Dia Internacional da Erradicação da Violência Contra a Mulher: tragédias a serem lembradas

Atos bárbaros e sanguinários movidos pelo ódio às mulheres motivaram o nascimento do Dia Internacional …