O que você pode fazer para reduzir as emissões de CO2?

A Conferência do Clima em Paris acabou e seu resultado foi bem recebido no mundo inteiro. A esperança de um futuro melhor está no ar. E nós, simples mortais, o que podemos fazer para reduzir nossas emissões pessoais e contribuir para atingirmos a meta de não superarmos os 2°C a mais na temperatura global?

A pergunta foi feita pelo The Guardian que lembrou da importância e da seriedade da questão.

O que acontecerá se a temperatura média global continuar a aumentar?

Eventos climáticos extremos, desastres ambientais como secas e inundações que colocariam a segurança alimentar e a disponibilidade da água em risco, a imigração em massa de verdadeiros refugiados do clima, seja pelo aumento do nível do mar, seja pelo calor extremo. Aliás, há quem diga que a guerra na Síria tem fundamento no aquecimento global. Ainda que a hipótese pareça ser absurda, é consenso que o aumento das temperaturas causariam mais conflitos.

Leia também:

AS “ATLÂNTIDAS”DO SÉCULO XXI. AQUECIMENTO GLOBAL E NÍVEL DAS ÁGUAS

REFUGIADOS: A CULPA DA CRISE MIGRATÓRIA É (TAMBÉM) DO AQUECIMENTO GLOBAL

Crise econômica. Se é verdade que estamos saindo da era dos combustíveis fosseis, é verdade também que uma crise na economia mundial poderá ser economizada ao evitarmos a chamada “bolha do carbono”, que seria desencadeada pela supervalorização dos combustíveis fosseis. É necessário acelerar esse processo e passar o quanto antes possível à produção global de energia limpa.

O que podemos fazer?

Nosso estilo de vida moderno tem a ver com o aquecimento global e quanto mais ricos somos, mais poluímos.

Leia também: A GRANDE DIFERENÇA ENTRE OS MAIS RICOS E OS MAIS POBRES NA GERAÇÃO DE CO2

A cada ano, em média, uma pessoa “rica” produz cerca de 12,5 toneladas de gases de efeito estufa. Cada um de nós pode fazer a sua parte, enquanto os Estados pensam nas questões macro. O que podemos fazer?

1° Reduza número de viagens aéreas

Uma viagem aérea de longa duração pode equivaler ou superar a um ano de emissões por uma pessoa podendo chegar a 2,25 toneladas de GEE. A dica é evitar os aviões, ou no máximo escolher companhias aéreas éticas e os voos sem escalas. Ao viajar, opte por trem. Se for comprar carro, prefira um elétrico mas, sobretudo, de carro, divida, compartilhe ou pegue carona. Preferivelmente, simplifique tudo indo de bike ou usando o transporte público nas cidades.

Leia também: POR QUE OS AVIÕES POLUEM TANTO?

2° Reduza o consumo de carne

Ok, não vamos fazer campanha pelo vegetarianismo, mas vamos fazer campanha para pelo menos reduzirmos o consumo de carne? Se você não liga para o sofrimento animal, para as questões de saúde - a OMS declarou que o consumo de carne processada está ligado à ocorrência de câncer - então pense nas gerações futuras, volte para o começo deste artigo e releia o que acontecerá se não contivermos o aquecimento da Terra.

A pecuária, em todo o mundo, produz mais GEE que todos os carros, trens, caminhões, aviões e navios juntos no planeta.

3° Faça modificações em casa

Se puder fazer algumas modificações em casa, como por exemplo reutilizar a água da chuva pelo menos no banheiro (que pode usar até 13 litros de água cada vez que você dá descarga), passar a produzir sua própria energia com painéis solares, ótimo. Além disso, mudar as lâmpadas de casa por lâmpadas LED é uma mudança fácil de se implementar. As lâmpadas LED consomem menos de 10% das lâmpadas normais e, ainda que custem mais, com o tempo você recupera o investimento nas contas de energia.

4° Use a internet com parcimônia

A pegada de carbono dos centros de dados mundiais equivale a todos os voos realizados no planeta e, pior, o setor só tende a crescer. Por isso, um uso parcimonioso desse instrumento também pode ser uma boa forma de iniciar a sua contribuição pela redução do aquecimento global.

De resto, consumir menos, não desperdiçar alimento, reciclar, reutilizar são as dicas que sempre cabem para quem quer fazer bem à Terra.

Leia também:

CONHEÇA OS SETORES QUE MAIS EMITEM GASES DE EFEITO ESTUFA NO BRASIL

Fonte fotos: shutterstock