Turismo na Antártida põe meio ambiente em risco

Turismo na Antártida põe meio ambiente em risco

A Antártida é o continente menos povoado do mundo. Frio e misterioso, até hoje ainda guarda segredos a ser desvendados pelo homem. Talvez por essa razão, esteja acontecendo um curioso processo nos últimos tempos: a região tem recebido, cada vez mais, turistas para visitá-la.

Mesmo que no período entre os anos de 2008 a 2012 tenha ocorrido uma diminuição nesse ritmo, a temporada que compreende 2013 e 2014 já mostra uma mudança de perfil do turismo, com expressivo aumento.

Todo esse fluxo de pessoas já causa grande preocupação em grupos de proteção ao meio ambiente como Greenpeace, WWF e outros, além das próprias autoridades locais, que têm se manifestado pedindo cuidado aos turistas que se dirigirem à Antártida.

Como os tratados internacionais de cooperação – que permitem a diversas nações implantarem bases científicas na região – fazem com que os países signatários sejam totalmente responsabilizados por tudo o que ocorrer na área sob sua tutela, o turismo tem entrado em pauta, porque pode fazer com que as próprias nações de origem do visitante sejam punidas por eventuais danos à natureza do continente gelado.

Com isso, o rigor de fiscalização deve se identificar, até mesmo por parte de cada país. Países como Chile, França e Argentina já se preparam para controlar, de forma mais efetiva, as ações dos turistas, ao longo do período de estada na Antártida.

Até o ano de 2011, por exemplo, havia um número grande de navios, que carregavam grande número de turistas, bem como, uma imensa quantidade de óleo combustível. Devido à possibilidade de risco ambiental, tais embarcações tem rigorosos limites, que foram impostos à sua circulação.

A grande questão hoje é ligeiramente diferente: pequenas embarcações, ou aeronaves, de empresas turísticas – ou de particulares – que chegam ao continente para as visitas, oferecem, até mesmo, contato com os animais nativos. Acredite se quiser!

Para comprovar esse comportamento, não é preciso muito esforço, bastando fazer uma rápida busca em redes sociais, como Instagram e Facebook – utilizando-se #Antarctica – para verificar uma série de pessoas em “animadas” fotos, brincando com pinguins – fato que é terminantemente proibido na região – e tomando banho de mar, sem roupas apropriadas, ou seja, com grande risco à saúde, devido às baixas temperaturas. Além disso, caso ocorra de fato algum acidente, até mesmo a remoção de um possível paciente seria algo complicado de se fazer rapidamente, já que se trata de um ponto isolado do globo.

Assim, já se tem verificado um aumento na quantidade de lixo depositado sem critério e os famosos musgos antárticos, que também sofrem com esse intenso movimento e servem como proteção ao solo das áreas polares. Isso tudo sem contar que, com o fim da crise econômica mundial, há uma maior possibilidade de transatlânticos visitando a costa antártica.

Esperamos por rápidas e eficazes ações dos países que fazem parte dos acordos de cooperação internacional, para que esse quadro se reverta, pois a Antártida é um dos principais biomas da Terra, responsáveis por ajudar no equilíbrio do clima em nosso planeta.

Você conhece alguém que já tenha feito turismo nessa área? Gostaria de visitá-la? Fale-nos sobre o assunto!

Fonte foto: Stock.Xchng