O amor é fundamental para curar qualquer doença

  • atualizado: 
amor cura

Dizem que o amor cura. E é verdade. Sem amor nada cresce, sem amor não há vida, sem amor não existe esperança, não existe motivo de cura. E a falta de amor é, inclusive, uma doença que se cura... amando.

Há de fato quem tenha estudado o assunto: "o amor na relação terapêutica e no processo de cura" é um artigo de Marina Pereira Rojas Boccalandro publicado no Pepsic (Periódicos Eletrônicos em Psicologia). Nele, a psicóloga clínica aborda as várias tipologias de amor e suas respectivas relações com o processo de cura. 

Um arquétipo misterioso

O amor é um misterioso conceito indescritível que, como diz Marina, segue sendo um enigma dentro da ciência. Mas este sentimento está estritamente ligado com a vida e com a vontade de viver, basta recordar-se de que, sem o amor sexual, não haveria vida. O amor é um arquétipo, talvez o mais importante para o homem. Sem ele a nossa espécie não teria evoluído, não teria transmitido e melhorado seus genes.

Pense no amor de pai e ou de mãe, que nos deu vida, nos alimentou, nos curou e nos fez crescer com saúde e vigor.

E o amor próprio? Sem ele todos tenderíamos ao suicídio ou, se preferir, pense no amor a Deus, ou no amor espiritual, aquele que nos faz pensar que a vida é uma dádiva a qual devemos agradecer e preservar.

E o amor fraterno, de amigo, irmão, que nos dá força e suporte para enfrentar as piores intempéries da vida?!

Amor, desamor e doenças

Dizem que a chave para transcender qualquer doença é o amor. Marina exemplifica o caso de uma paciente que buscava autocurar-se de uma doença autoimune imaginando-se amorosamente tratada, em cada uma de suas células doentes. O seu processo imaginário de cura, pelo emprego do amor, funcionava ou pelo menos facilitava a sua aceitação da doença através do autoconhecimento, o que lhe proporcionava melhor qualidade de vida.

Quando estamos doentes, sentimos a necessidade daquele amor básico e fundamental, que nos atendia quando éramos bebês, que queria a nossa recuperação. Mesmo adultos, talvez sem o amor materno que nos acuda, podemos recorrer ao amor próprio, ao amor universal, espiritual ou qualquer amor que seja, para evocarmos a vontade de estar bem, que nos dá força para seguir adiante.

O amor é a base, é a força. É continuidade, aceitação e gratidão. É saber ver luz onde há trevas, é dar-se a oportunidade de ser feliz.

A cura de todos os nossos males: internos, externos, particulares ou coletivos está ali, naquele chavinha chamada amor. Bastaria fazer virar essa chave para transcender qualquer maldade, qualquer doença, qualquer desgraça ou sofrimento. O caminho é longo, mas é possível! Mais amor!

Talvez te interesse ler também:

CÍRCULO DE MULHERES: O QUE É, POR QUE FAZ BEM E COMO PARTICIPAR

REPENSE SUA RELAÇÃO COM O DINHEIRO: NÃO É SUJO NEM CORROMPE NINGUÉM

 

CONEXÃO MÃE TERRA - MÃE NATUREZA: COMO ENTRAR EM CONTATO COM NOSSA ORIGEM

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!