Covid-19: cães e gatos em risco no mundo inteiro, ainda mais no Brasil

Covid-19: cães e gatos em risco no mundo inteiro, ainda mais no Brasil

Devido aos impactos econômicos causados pela pandemia, a situação tem ficado cada vez mais difícil e precária para protetores, abrigos e Ongs de proteção animal, colocando em risco cães e gatos.

Com o desemprego, o aumento dos preços, a diminuição da renda e a restrições em virtude da pandemia, os tutores têm encontrado dificuldades para suprir as necessidades de seus animais de estimação.

Para agravar mais ainda este quadro, a proteção animal enfrenta muitos problemas dificultando dar a devida assistência aos animais resgatados das ruas.

E toda essa problemática vem acontecendo a nível global.

Efeitos prejudiciais aos animais provocados pela pandemia

As entidades que resgatam animais do abandono têm enfrentado continuamente desafios críticos, como:

  • falta de alimentos para os animais
  • aumento do abandono de animais de estimação
  • redução das adoções
  • restrições das feiras públicas de adoções
  • superlotação dos abrigos e Ongs
  • diminuição das doações e contribuições voluntárias para ajudar no trabalho destas entidades

O que tem sido feito para lidar com essa crise

A Sociedade para a Prevenção da Crueldade contra os Animais – SPCA – International, tem estabelecido comunicação direta com diversos abrigos de animais espalhados pelo mundo, levantado as dificuldades e problemas que estão passando frente à pandemia e constataram que a situação é angustiante.

Veja alguns dos problemas levantados e o que tem sido feito no mundo inteiro para solucioná-los:

  • Na China, as entidades de proteção enfrentaram uma luta árdua, pois, em virtude da Covid-19, os animais estavam sendo abandonados em apartamentos, nas ruas e em abrigos, em consequência do falecimentos dos tutores ou porque seus humanos não puderam ou não quiseram continuar a cuidar deles.
  • Para lidar com esse contexto, teve abrigo que começou a fazer sua própria ração para ajudar os animais, vítimas do abandono.
  • Na República Dominicana, no mês de março, a  Unidad de Protección Animal in Santo Domingo ficou sem comida para os animais e, graças à SPCA – Internacional, foi possível ter ajuda emergencial para alimentar os animais.
  • Em Montreal,  uma empresa fabricante de alimentos para animais de estimação da Nova Zelândia, a Wishbone Pet Food, fez doação de rações para diversos abrigos de animais.
  • Na Itália, a SPCA Itália criou um programa para subsidiar o custo da alimentação e cuidados veterinários para os animais de estimação de pessoas que passaram por dificuldades econômicas, evitando assim abandoná-los ou entregá-los para abrigos.
  • No Líbano, além dos prejuízos causados pela pandemia, a situação se agravou com a recente explosão. Com isso, muitas pessoas perderam suas casas e entes queridos, então, a BETA Lebanon se esforçou para dar assistência aos animais e às pessoas afetadas por este desastre.

A SPCA-International, mais uma vez entrou em cena, e assumiu o compromisso de reverter $ 20.000 de seu fundo de arrecadação para intensificar essa ajuda aos animais do Líbano.

  • Já nos EUA,  além dos efeitos da Covid-19, a região da costa oeste tem enfrentando grandes incêndios florestais, e as áreas do Sul vêm sofrendo com os furacões. Por isso, as pessoas estão perdendo suas casas ou preparando-se para evacuar.

Diante dessa triste realidade, as famílias deslocadas dependem de abrigos e organizações de acolhimento para cuidar de seus animais, até que possam se reestruturarem, novamente.

E no Brasil, como está a situação?

Em nosso país, com tantos problemas sociais e políticos, todos os prejuízos provocados pela pandemia se intensificam, afetando diretamente os animais e colocando-os em risco.

Veja neste vídeo a matéria feita para o Teju, Jornal Universitário Uninter, sobre o aumento do abandono de animais durante a pandemia:

Como ajudar os animais de rua e as entidades de proteção animal?

Devido à tantas dificuldades, os protetores, entidades e Ongs precisam de comida, apoio para o resgate, recurso financeiro para compra de materiais veterinários, vacinas, castrações e do trabalho de divulgação e conscientização para ter a colaboração das pessoas.

Diante desse panorama, fica o nosso apelo às autoridades, empresariado e cidadãos para ajudar esses defensores dos animais, da forma que puderem, já que existem várias alternativas para isso, desde de:

  • Doações de alimentos e medicamentos para os animais
  • Trabalho voluntário nessas entidades
  • Contribuições financeiras para ajudar protetores de animais e na manutenção dos abrigos e ongs
  • Apadrinhamento de um animal, ajudando nas despesas para os cuidados dele
  • Lar temporário para animais resgatados
  • Transporte solidário, a fim de ajudar no trabalho dessas entidades
  • Adotar um animal de rua ou resgatado por entidades de proteção animal
  • Ajudar um animal de rua, junto com outras pessoas, dando condições dele viver na rua com mais dignidade, dispondo de comida, água e um refúgio, como por exemplo, o cãodomínio
  • Solidarizar-se com tutores em dificuldades financeiras ou comunidades carentes, ajudando no sustento de seus animais
  • Colocar no governo de nossas cidades, através das eleições deste ano, aqueles que de fato. lutam e defendem a causa animal
  • Denunciar casos de abandono e maus-tratos, agora, temos uma lei mais severa para estes casos, com o objetivo de coibir a crueldade com cães e gatos

Com todas essas ações, é possível ajudar os animais dos efeitos nocivos ocasionados pela pandemia. 

Una-se a nós nessa causa!

Talvez te interesse ler também:

Criança autista desaparece durante horas, mas é salva por amigos de 4 patas

Cães e gatos não são comidas. China os retira oficialmente da lista de animais comestíveis às vésperas do Festival de Yulin

Inseparáveis: um homem com câncer e seu cachorro morrem com uma hora de diferença

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *