A ressonância magnética de um pug que viralizou (porque mostra uma terrível verdade)

A ressonância magnética de um pug que viralizou (porque mostra uma terrível verdade)

“O pug de um amigo foi ao veterinário”, escreveu o comediante norte-americano Andy Richter em seu Twitter depois de postar uma foto da ressonância magnética de um pug, que rapidamente viralizou nas redes sociais com mais de 130.000 curtidas e muitos compartilhamentos.

Depois que seu tweet teve essa repercussão toda, Andy publicou uma atualização para que todos soubessem que “o pug obteve um certificado de boa saúde e se deixou conquistar pela fama.”

O que tornou a imagem viral nessa publicação foi certamente o aspecto “incomum” do pug visto de uma perspectiva interna, com olhos enormes e arregalados e focinho ainda mais achatado do que normalmente parece externamente. Ambas as características desta raça, marcam a braquicefalia, uma condição caracterizada por um desenvolvimento anormal do crânio, mais largo que longo.

Essa particularidade da raça, se deve à ação do ser humano que, com o tempo, foi transformando o animal através da manipulação genética, para satisfazer seus interesses econômicos. Ou seja, para que a raça ficando mais “fofinha e engraçadinha” caísse no gosto do freguês, disparando a popularidade da raça pug.

Infelizmente, a aparência fofa desse animal não é nada positiva para sua saúde, como apontou o veterinário Rory Cowlam para o Independent:

“Através da seleção humana, nós os criamos para parecer mais uma criança humana, porque o achamos fofo. Mas, infelizmente, esse visual fofo não é muito bom para o animal.”

E, de fato, entre os muitos internautas que comentaram a imagem, além dos que a acharam adorável, houve outros que a consideraram algo alarmante e preocupante.

A imagem do pug captada pela ressonância magnética mostra o resultado de anos de criação seletiva que tornaram essa raça particularmente frágil em termos de saúde.

Como outros cães braquicefálicos; por exemplo, o buldogue, o boxer, o bull terrier, o pequinês; o pug sofre de problemas respiratórios, problemas oculares devido ao excesso de pele ao redor dos olhos, tem inclinação à alergias, problemas na coluna, epilepsia , síndromes gastrointestinais, patologias neurológicas e disfunção de nascimento.

Em suma, a raça é bonita, diferenciada e refinada, mas em detrimento da saúde desse animal!

A pergunta que não quer calar: Realmente vale a pena comprar cães de raça, quando na realidade comprar é fomentar a manipulação genética em cães com prejuízo à saúde deles?

Leia mais sobre isso em:

Como já dito, a fisionomia peculiar do pug se deve à intervenção humana na genética deste cão e que tem sido perigosa para sua saúde que, no entanto, continua a ser praticada devido à enorme demanda do mercado.

Aqui estão todos os problemas que essa raça sofre, para se compreender a razão de NÃO comprar animais de raça e PARAR de alimentar os canis de reprodução que, diga-se de passagem, estão cada vez mais numerosos:

  • problemas oculares e dificuldade em fechar as pálpebras, devido à cabeça achatada e à forma pronunciada dos olhos
  • dermatites e alergias devido aos fungos que proliferam entre as dobras da pele, típica do pug
  • dificuldades respiratórias em decorrência das narinas pequenas, associadas ao seu focinho curto e achatado
  • problemas osteomusculares por conta do pequeno tamanho desse cão, determinado por procriação seletiva
  • desequilíbrio na temperatura do corpo por consequência do seu nariz achatado
  • dificuldades no momento do parto devido à cabeça grande e desproporcional ao corpo.

Com todos estes problemas,  a melhor alternativa para PARAR com a perpetuação dessa manipulação genética e por fim à fábrica de filhotes de raça é ADOTAR animais que estão precisando de um LAR!

Desse jeito você economiza dinheiro e problema de saúde pra você e para o seu melhor amigo.

Talvez te interesse ler também:

Lata de cerveja com foto de cachorro para adoção, uma ideia incrível

Adoção responsável: o que é importante saber antes de levar o animal

Em Taubaté presidiários aprendem senso de responsabilidade e afeto com animais resgatados das ruas

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *