Mora em São Paulo e ainda não usa água da chuva?

água da chuva se pode usar

Com a crise hídrica vivida pela maior metrópole brasileira, cresce o estímulo ao reúso da água no dia-a-dia, assim como ao aproveitamento das águas pluviais. Morando em São Paulo ou não, veja como fazer uma cisterna para armazenar água da chuva a um custo acessível, e com qualidade para a maioria dos usos do cotidianos, economizando água e fazendo sua parte por um futuro mais sustentável.

Começando pelos baldes embaixo das calhas e dos chuveiros, passando por cisternas mais bem pensadas, até chegar a um sistema completo com encanamentos distintos para água potável e de reúso, há muitas estratégias para fazer a nossa parte em direção a um futuro onde haja segurança hídrica. Quais são as suas?

Visando a incentivar essas práticas, surgiu o Movimento Cisterna Já, lançado dia 29 de outubro no encontro Aliança pela Água, que reúne mais de 30 ONGs trabalhando em coalizão em busca de segurança hídrica para os moradores de São Paulo.

No site do Cisterna Já, podemos encontrar muitos recursos úteis, como endereços e preços de bombonas de água (que às vezes podem ser encontradas até de graça), contatos de instaladores desses sistemas, agenda de oficinas, cursos. Já este vídeo mostra o o passo-a-passo pelo seu criador, Edison Urbano, para fazer minicisterna bem-feita, com filtro de sujeiras grossas, descarte das primeiras águas, redutor de turbulência e torneira.

Mesmo se você não tem tempo ou recursos para fazer um sistema como esse, ou mora em apartamento, com bacias e baldes é muito fácil fazer o reúso da água da máquina de lavar ou de parte da água que sai de nosso chuveiro para finalidades menos nobres, como lavar quintal ou pisos e para dar descarga.

Leia também: Crise hídrica: justo no país que possui a maior reserva de água doce no mundo

Fonte foto: pshutterbug