Duas crianças Yanomami morrem ao serem “sugadas” por draga de garimpo

Duas crianças Yanomami morrem ao serem “sugadas” por draga de garimpo

Duas crianças Yanomamis morreram nesta terça-feira, 12, ao serem “puxadas” na água por uma draga de garimpo e levados pela correnteza. O acidente ocorreu na comunidade de Makuxi Yano, em Alto Alegre (RR).

Os dois meninos, um de 5 e o outro de 7 anos, eram primos e brincavam na beira do rio que banha a comunidade quando foram arrastados, na região de Parima, segundo o Conselho de Saúde Indígena Yanomami e Ye’kuana (Condisi-YY). O primeiro corpo foi encontrado na quarta-feira (13) e o segundo corpo foi encontrado nessa quinta-feira (14) pelo Corpo de Bombeiros.

Mais uma tragédia cuja responsabilidade é da invasão garimpeira ilegal.

O vice-presidente da Hatukara Associação Yanomami (HAY), Dário Kopenawa, lamenta na nota divulgada:

“A morte de duas crianças Yanomami é mais um triste resultado da presença do garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami, que segue invadida por mais de 20 mil garimpeiros. Até setembro de 2021, a área da floresta destruída pelo garimpo ilegal da TIY superou a marca de 3 mil hectares – um aumento de 44% em relação a dezembro de 2020.”

TIY – Maior reserva indígena do Brasil

A Terra Indígena Yanomami – TIY tem quase 10 milhões de hectares entre os estados de Roraima, Amazonas e parte da Venezuela. Aproximadamente 27 mil indígenas vivem na região em mais de 360 comunidades.

Na região do Parima, onde está a comunidade Makuxi Yano, foram atingidos 118,96 hectares da floresta degradada, um aumento de 53% desde dezembro de 2020.

A área da Terra Yanomami é alvo do garimpo ilegal de ouro desde a década de 1980. A atividade teve aumento de 1000% entre dezembro de 2020 e setembro de 2021. Além da contaminação dos rios, a busca intensificada pelo minério gera conflitos armados, degradação da floresta e ameaça à saúde dos indígenas.

Durante a pandemia, o número de casos de Covid-19 aumentou devido à presença dos garimpeiros. Em apenas três meses, as infecções avançaram 250%.

Apoio das lideranças contra o garimpo ilegal

Pelo menos quatro comunidades indígenas na região da Terra Yanomami em Roraima foram atacadas por garimpeiros ilegais nos últimos meses: Yakepraopë, Maikohipi, Korekorema e Tipolei.

O clima de ameaças segue os Yanomami desde abril diante de seguidas perseguições e ataques pelos garimpeiros. Os invasores agridem, perseguem, ameaçam e atacam usando diversos tipos de violência.

A Fundação Nacional do Índo (Funai) declara estar à disposição e acompanha o caso por meio da Frente de Proteção Etnoambiental Yanomami e Ye’Kwana.

Kopenawa da HAY pede ajuda às lideranças:

“As autoridades brasileiras precisam continuar atuando para proteger a Terra-Floresta e impedir o que garimpo ilegal continue ameaçando nossas vidas. O Fórum de Lideranças da Terra Indígenas Yanomami se reuniu em setembro para trazer a voz da floresta e já dissemos: o aumento da atividade garimpeira ilegal na TIY está refletindo em insegurança, violência, doenças e mortes para os Yanomami e os Ye’kwana.”

Já são 4 crianças Yanomami mortas pelo garimpo ilegal em seis meses. Outras duas crianças morreram afogadas no rio fugindo de disparos de armas na região do Palimiu, também em Roraima, em maio.

Talvez te interesse também:

Lei recém-sancionada permite garimpo com mercúrio em Roraima 

STF derruba lei que previa uso de mercúrio em garimpo em Roraima

A todo vapor: vídeos mostram o avanço do garimpo ilegal em terras indígenas 

Racismo institucional e genocídio autorizado de indígenas. Petição #ForaGarimpoForaCovid 

O ouro e o diamante do garimpo ilegal destroem a Amazônia 

Cacau em vez de garimpo ilegal para salvar a Amazônia 

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *