Índios da Amazônia
Índios da Amazônia

Índios da Amazônia querem criar a maior área protegida do mundo

Um santuário enorme de 200 milhões de hectares, capaz de proteger a fauna e garantir maior estabilidade climática. Este é o plano para a criação da maior área ambiental protegida do mundo, um verdadeiro corredor de vida, proposto pelos grupos indígenas da Amazônia por ocasião da Conferência das Nações Unidas sobre a Biodiversidade.

Dos Andes ao Atlântico, o parque seria o resultado de uma aliança entre as comunidades amazônicas em meio a uma das controvérsias ambientais e políticas mais importantes do mundo. A Colômbia já havia proposto um projeto semelhante relativo aos Andes, à Amazônia e ao Atlântico e planejava apresentá-lo em ocasião da COP24 que está acontecendo de 02 a 14 de dezembro em Katowice, na Polônia mas, as lideranças recém-eleitas, seja ali que no Brasil, colocam em dúvida aquilo que seria de grande importância para que a região sul-americana possa reduzir suas emissões de dióxido de carbono e ajudar a conter o aquecimento global.

Contudo, a aliança indígena que representa 500 etnias em nove países da Amazônia, assumiu as rédeas da situação ao propor um “corredor sagrado de vida e cultura” que teria o tamanho do México.

“Nós viemos da floresta e nos preocupamos com o que está acontecendo”, disse Tuntiak Katan, vice-presidente do Coica (Coordenador da Organização Indígena da Bacia do Rio Amazonas). “Este espaço é o último grande santuário do mundo para a biodiversidade. Ele está lá, porque estamos lá. Diferente de outros lugares que foram destruídos.”

A Coica foi fundada em 1984 em Lima, Peru, e coordena 9 organizações indígenas da Amazônia. A proposta é resultado de uma cúpula realizada em agosto passado com os líderes indígenas da Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela.

A Amazônia, por muitos considerada como sendo os pulmões do planeta, é a maior e mais diversificada floresta tropical da Terra. Abriga mais da metade das espécies de plantas e animais do mundo. Alguns destes só são encontrados aqui. Um milhão de indígenas vivem lá, muitos deles em tribos isoladas.

Os líderes indígenas do Coica declararam que continuarão com o plano independentemente da situação política em mudança, e ainda que estejam buscando uma representação governamental na Convenção das Nações Unidas sobre Biodiversidade e querendo se aliar com grupos indígenas e ONGs de outros países.

Mas o poder político deles é fraco e muitos temem que possam sofrer ataques violentos dos gigantes do agronegócio e da mineração.

Katan disse que o diálogo é o melhor caminho, mas algumas comunidades já estão se preparando para defender suas terras com a própria vida, se assim for necessário. Muitos temem que os novos líderes políticos possam destruir esse grande patrimônio natural. Menos terra será controlada por comunidades indígenas e florestais e mais estarão abertas aos interesses econômicos de poucos.

Esperamos que o parque possa se tornar uma realidade em breve, e que possa dar mais oxigênio ao mundo.

ÍNDIOS, CONFLITOS, DEMARCAÇÃO DE TERRAS. O QUE ESPERAM OS POVOS INDÍGENAS

HIDRELÉTRICAS, TERMELÉTRICAS, RODOVIAS, ETC. AS AMEAÇAS AOS POVOS INDÍGENAS ISOLADOS

BOLSONARO: O CANDIDATO QUE PROMETE GUERRA AOS ÍNDIOS E À FLORESTA AMAZÔNICA

Sobre Redação GreenMe

Redação GreenMe
greenMe.com.br é um site de informação sobre meio ambiente e saúde, criado para levar ao grande público, a consciência de que um mundo melhor é possível, através de um comportamento respeitoso com todas as formas de vida.

Veja Também

Mineração em terras indígenas

Governo aprova exploração de minério na Amazônia

Existem mais de três mil requerimentos para explorar minérios em terras indígenas na Amazônia à …