Povo Yanomami abandonado: mais de 700 contaminados e 7 mortos pelo coronavírus

A situação está muito difícil para os povos indígenas, em especial para a etnia Yanomami. Hoje são mais de 700 índios contaminados pelo coranavírus e 7 mortos, incluindo um bebê.

Desde que o Presidente Jair Bolsonaro vetou vários trechos do Projeto de Lei que garantia medidas emergenciais e preventivas aos índios e quilombolas, dentre eles, obrigação do governo em fornecer água potável, higiene, leitos hospitalares e facilidades ao acesso ao auxílio emergencial, pôde-se constatar que eles estavam abandonados à própria sorte.

Com a chegada do coronavírus em março no Brasil, os indígenas necessitavam de proteção especial, principalmente isolamento e retirada imediata dos invasores e garimpeiros da área para evitar contaminação, além de distribuição de equipamentos de proteção, insumos e assistência médica através de um plano de contingenciamento.

Mas desde o início da pandemia nenhuma medida de proteção efetiva foi posta em prática, bem como, em julho, o governo enterrou com pá de cal qualquer possibilidade de ajuda, ao vetar os pontos nevrálgicos do Projeto de Lei nº 1.142/2020, aprovado pela Câmara e pelo Senado, em sua integralidade.

No mesmo dia do veto, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, determinou que o governo adotasse medidas para proteger os índios da pandemia.

Na ocasião, já se somavam mais de 8 mil casos de Covid-19 nas comunidades indígenas, com 184 mortes.

Mas enquanto o governo não toma as medidas necessárias, além da doença, a fome também afeta os povos indígenas por causa das regras de restrição de combate ao coronavírus, como isolamento, quarentena, interrupção provisório dos órgãos e serviços de atendimento, principalmente, os voltados à comunidade isolada.

Por causa desse cenário, foi necessária a intervenção do Ministério público Federal que entrou com ação civil pública pleiteando que o governo seja obrigado, enquanto durar a pandemia, a amparar as comunidades indígenas com kits de cesta básica e produtos de higiene, fornecidos pela Funai com apoio da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).

E nesse ciclo terrível de ações judiciais e vetos presidenciais, os Yanomamis continuam perseguidos, assassinados e abandonados.

Em junho, o povo Yanomami implorou por ajuda e atenção da população e dos governantes com a campanha  #ForaGarimpoForaCovid de iniciativa de Lideranças Yanomami.

Ajude a expulsar os garimpeiros. Assine a petição

Eles também criaram uma petição pública para pressionar o governo, a meta é atingir 100 mil assinaturas.

“Nós, Yanomami, não queremos morrer. Ajude-nos a expulsar os mais de 20 mil garimpeiros que estão espalhando a Covid-19 em nossas terras.”

Assine a petição, clique aqui https://www.foragarimpoforacovid.org/#assine

Talvez te interesse ler também:

Sem água, sem tudo: incêndio consome 83% das terras do povo Guató. Como ajudar

Lixo humano: pinguim morre com máscara de coronavírus no estômago

10 árvores ideais para calçadas: lindas e coloridas! FOTOS

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É redatora-chefe e co-founder de GreenMe Brasil.

Veja Também

Quem são os mapuches e o que simboliza a sua bandeira para o Chile?

A América Latina abriga uma enorme diversidade de povos originários que viviam na região, antes …