Ameaçadas até por drones: comunidades tradicionais estão sendo invadidas pelo poder empresarial

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Quatro comunidades tradicionais que vivem às margens do rio São Francisco estão sendo invadidas pelo poder empresarial. Até drones sobrevoam a região, segundo os moradores.

O enredo se assemelha bastante ao do filme Bacurau, de tanto que a realidade parece ter se inspirado na ficção. Os moradores das comunidades de Itacarambi, Cabaceiras, Croatá e Januária, no norte de Minas Gerais, acusam dois megaempresários de estarem disputando terras com quilombolas e vazanteiros (que plantam nas vazantes do rio nos períodos de seca).

Interesse pela posse de terras

Uma reportagem de Daniel Camargos para o Repórter Brasil apurou a denúncia e descobriu que existem muitos interesses pela posse dessas terras. O latifundiário Walter Santana Arantes, que também é sócio das três maiores redes de supermercado mineiras (EPA, BH e Mineirão), está em conflito pelas terras onde vivem as comunidades quilombolas de Croatá. Já o proprietário da Brasnica Frutas Tropicais, Yuji Yamada, está de olho nas terras das comunidades vazanteiras de Barrinha e Maria Preta, em Itacarambi.

Os moradores de ambas as comunidades já foram ameaçados várias vezes por capangas e vaqueiros que dizem que, caso não haja acordo, eles terão de sair de suas propriedades na “marra”. Além das ameaças, os moradores relataram à reportagem que são vigiados por drones que sobrevoam as suas casas e plantações.

A razão da disputa, segundo apurado pelo Repórter Brasil, é a água. A Brasnica Frutas Tropicais construiu uma barragem na lagoa do Juazeiro, que deixou de dar peixe e de fornecer irrigação para as plantações da comunidade vazanteira de Maria Preta.

Maria Preta e outra comunidade próxima, a de Barrinha, estão sendo afetadas por um projeto do governo mineiro chamado Projeto Jaíba, que atraiu para a região empresários do mercado de frutas com a promessa de que poderiam usar os canais de água provenientes do rio São Francisco nas plantações.

Reconhecimento x reintegração

Os moradores de ambas as comunidades estão à espera do reconhecimento de povos tradicionais, mas o processo de demarcação de margens está paralisado na Secretaria de Patrimônio da União (SPU). Como os moradores não têm o Termo de Autorização de Uso Sustentável, eles estão em uma espécie de limbo – situação que os deixa ainda mais vulneráveis com a pressão de ruralistas e empresários que buscam judicialmente a reintegração de posse das terras.

Desde o início do governo de Jair Bolsonaro, o líder comunitário Reinaldo Pereira da Silva diz que houve uma mudança no tom das ameaças:

“Eles [fazendeiros] vêm para cima, andam armados e mostrando que estão armados”.

Os fazendeiros teriam a seu dispor o poder de uma milícia rural chamada Segurança no Campo, que conta com a participação de policiais.

Veja a reportagem completa AQUI.

Talvez te interesse ler também:

Alteração em Projeto de Lei pode facilitar a evangelização e contato com índios isolados

Contra a contaminação dos indígenas Warao pela Covid-19, MPF pede ação urgente

Cresce o número de indígenas mortos pelo coronavírus. Povo Kokama pede socorro: “estamos morrendo”

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Instagram
Siga no Facebook