©Fotomontagem de Beatriz Abdalla/Jornal da USP

Pesquisa brasileira descobre que cascas de arroz e café tratam lixo radioativo

Imagine grandes quantidades de rejeitos radioativos, perigosos para o meio ambiente e para a saúde das pessoas. O que fazer com eles?

Pois uma pesquisa brasileira descobriu uma maneira econômica de tratar o lixo radioativo, utilizando dois materiais abundantes para nós: as cascas de arroz e de café.

Estes materiais são super absorventes e foram testados com sucesso no tratamento destes rejeitos perigosos pelo Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), uma instituição associada à Universidade de São Paulo (USP).

As cascas foram capazes de absorver materiais radioativos como o urânio e o amerício, especialmente as do café.

Antes, a remoção destes rejeitos, gerados em diversas atividades nucleares, era feita com técnicas caras de aplicação. Agora, a intenção é fazer com essa técnica de baixo custo ajude a reduzir o lixo radioativo, transformando o rejeito líquido em sólido, facilitando o acondicionamento dele.

Viva a natureza! Via a reutilização de materiais e parabéns aos pesquisadores envolvidos!

Saiba mais

Para saber mais sobre essa pesquisa, clique aqui, no Jornal da USP.

Se você se interessa por esse assunto, que tal seguir o Canal Irradiação no Youtube? Lá, jovens estudantes de engenharia nuclear desmitificam e explicam tudo sobre a energia nucelar que, embora possa criar grandes problemas, pode também apresentar grandes soluções.

Aliás, muita gente ultimamente vem apostando na energia nuclear como a grande promessa de energia limpa do futuro. Isso porque uma nova geração de centrais atômicas, menos perigosas e menos custosas, poderiam reduzir em grande parte as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera.

Fique sabendo!

Talvez te interesse ler também:

Contaminação e chuva de fuligem: desastrosas consequências para o Pantanal

Playground de pandas: uma fofura de lugar para preservar esse animal fofo!

De volta ao passado: Carrefour promete substituir o plástico por papel

Sobre Daia Florios

Daia Florios
Ingressou no curso de Ecologia pela UNESP e formou-se em Direito pela UNIMEP. É redatora-chefe e co-founder de GreenMe Brasil.

Veja Também

Ex-catador de latinhas no Ceará, hoje professor, leva luz, água e internet para crianças na África

Há pessoas cujas vidas parecem ter saído de um romance ou de uma novela. Mas …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *