Ex-catador de latinhas no Ceará, hoje professor, leva luz, água e internet para crianças na África

Há pessoas cujas vidas parecem ter saído de um romance ou de uma novela. Mas elas são reais e podem, inclusive, nos servir de inspiração.

É o caso de Ciswal Santos, um professor de computação que foi catador de latinhas no Ceará e foi estudar em Harvard (Estados Unidos), uma das universidades mais prestigiadas do mundo.

Como tudo começou

Foi no lixo que Ciswal buscou os recursos para estudar na faculdade, catando latinhas para a reciclagem. Em 2018, ele foi aprovado em Harvard para desenvolver um projeto para gerar energia solar de forma sustentável com um aparelho que custava cerca de R$ 2,2 mil. Apesar de a ferramente ser relativamente barata, o professor desejava ainda torná-la mais acessível:

“Ainda não é o preço que eu quero. Já tive contato com pessoas que desenvolvem tecnologia asiática – que está bem a nossa frente – e podemos fazer uso dessa tecnologia para reduzir o custo do equipamento para R$ 1,2 mil, mas o objetivo final é baratear para um salário mínimo, para que qualquer trabalhador possa comprar.”

Em 2019, ele recebeu um convite para implantar o projeto na África, após ser nomeado embaixador de Direitos Humanos da Noble Order for Human Excellence (NOHE), uma organização ligada à Organização das Nações Unidas (ONU) que está presente em 17 países, como informou o Só Notícia Boa.

Energia sustentável

O equipamento desenvolvido por Ciswal consegue reduzir em 70% o consumo de energia de uma residência de uma família de quatro pessoas.

O projeto levado para a África não teve acolhida no Brasil. O professor explicou a razão para o Diário do Nordeste:

 “O meu projeto não gera dinheiro para ricos, favorece a população. Não é corrupto. Não é comercial, por isso não fui aceito [no Brasil]. Aqui [na África] foi abraçado e recebi muitos convites”.

https://www.instagram.com/p/B8GrIZ4hNzn/

Em Moçambique, por exemplo, o projeto de Ciswal vai levar luz a uma escola da aldeia Muzumuia. Outros países onde a iluminação chegará são Zimbábue, Congo e Madagascar.

https://www.instagram.com/p/B7lAXSfBvmv/

Olha como funciona o aparelho:

https://www.instagram.com/p/B7LoaTcBFv8/?utm_source=ig_embed

Oportunidades transformam vidas

Ciswal diz que o seu projeto maior é ajudar pessoas:

“Não vou querer ganhar dinheiro com isso. Quero minhas ideias para ser canal de solidariedade, canal de oportunidade para estas pessoas”.

O professor disse tudo: precisamos de oportunidades! E elas acontecem graças a quem tem generosidade e empatia, mas, sobretudo, porque são necessárias políticas públicas e investimentos privados que deem acessos a espaços para que as pessoas tenham condições de transformar as suas vidas e as de outras pessoas.

Talvez te interesse ler também:

Para salvar o planeta, seu voto vale mais do que a sua dieta

Sandálias artesanais, 100% naturais, feitas por pessoas que de fato preservam a Amazônia. Como comprar

‘Essa desgraça desse cabelo’: episódios assim são fruto de nossas contas abertas com o passado

Sobre Gisella Meneguelli

Gisella Meneguelli
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.

Veja Também

Pesquisa brasileira descobre que cascas de arroz e café tratam lixo radioativo

Imagine grandes quantidades de rejeitos radioativos, perigosos para o meio ambiente e para a saúde …