foto

Rio Doce, uma bacia hidrográfica em sério risco de vida

Quando um grande desastre ambiental ocorre todos temos o dever de ajudar a saná-lo. Por que? Bom, simplesmente porque nós, seres humanos não vivemos sem uma natureza saudável e equilibrada.

Existem ainda muitas perguntas sem respostas neste que já é considerado um dos maiores desastres socioecológicos brasileiro, perguntas essas que um grupo de profissionais de todas as áreas se propõe a investigar.

Perguntas ainda sem respostas

O que realmente aconteceu com o Rio Doce? E com os rios Gualaxo do Norte e do Carmo? E com todos os outros afluentes do Rio Doce já afetados pela onda de lama?

* O que de fato aconteceu com as barragens da Samarco? Houve negligência?

* Qual o impacto ambiental e a extensão do dano? Quem se responsabilizará?

* Existirá possibilidade da recuperação das áreas afetadas?

* Qual será o destino da fauna e das pessoas que dependiam do Rio Doce?

Por iniciativa de um biólogo de São Paulo, Dante Pavan, foi formado o Grupo Independente para Análise do Impacto Ambiental que propõe realizar, o mais rápido possível, coleta de dados e análise para avaliação dos impactos ambientais na região afetada pelo rompimento da barragem de mineração da Samarco, em Mariana, Minas Gerais.

Seus integrantes apelam a todos os que possam contribuir nessa busca de informações, que entrem em contato. As informações necessárias são:, dados antigos sobre a região, dados atuais, estudos específicos sobre fauna e flora, documentação fotográfica (antiga e atual). Ou seja, todos aqueles que tiverem dados e quiserem disponibilizá-los, poderão acessar os seguintes canais: blog e página no Facebook, além de um endereço de e-mail.

Também aqueles que possam ajudar divulgando as atividades do grupo ou cobrando a responsabilidade presente e futura para os danos causados à fauna, flora e população envolvidas, podem contatar com o GIAIA pelos mesmos canais acima.

Grupo independente, financiamento cidadão

O GIAIA é um grupo independente que tem estado na região, até o momento, utilizando recursos próprios. Mas, para darem continuidade à recolha de dados, abriram também uma campanha de crowdfunding que visa custear as despesas referentes ao deslocamento, material de coleta e as análises que envolvem o relatório independente a ser gerado. Toda contribuição é bem-vinda!

Você, profissional, pode ajudar diretamente

O grupo GIAIA orienta que profissionais da área ambiental, social, de comunicação, etc, que tenham interesse em atuar como voluntários, entrem para o grupo de trabalho, no seguinte link Grupo de apoio – GIAIA e façam aqui o seu cadastro de pesquisador voluntário.

Toda ajuda é bem-vinda e necessária.

Se você apoia essa causa, junte-se a nós e vamos buscar as respostas para o bem da coletividade!

Talvez te interesse ler também:

Fonte foto: fotospublicas

Sobre Redação GreenMe

Redação GreenMe
greenMe.com.br é uma revista brasileira online, de informação e opinião Editada também na Itália como greenMe.it
Anterior Maior reservatório de água do Nordeste sofre com seca histórica
Próximo Como reutilizar caixas de fósforo da maneira mais original possível

Veja Também

Ministério do Meio Ambiente

Por “evidente risco de danos irrecuperáveis ao meio ambiente”, Justiça suspende decisão de Salles

Após a grande repercussão da fatídica reunião do CONAMA, presidida pelo ministro Ricardo Salles, na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *