Nos EUA macieiras estão morrendo de forma misteriosa. Ninguém sabe o porquê

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Muitas macieiras nos Estados Unidos estão sucumbindo e morrendo, deixando agricultores e pesquisadores assombrados!

Eles estão sem entender e em suas mentes paira a seguinte dúvida: por que as macieiras da América do Norte estão morrendo?

As hipóteses e prováveis causas podem estar relacionadas com mudanças climáticas, pragas, patógenos, cultivo intensivo e utilização de herbicidas.

Independente da causa, uma coisa é certa, é necessário intervir rapidamente antes que seja tarde demais!

Não existe apenas uma só explicação para o que está ocorrendo com as macieiras, mas uma série de fatores estão contribuindo para o rápido declínio das maçãs, denominado cientificamente de Rapid Apple Decline-RAD.

Os primeiros sintomas da doença que está incindido sobre as macieiras são o crescimento atrofiado da árvore e folhas que ficam amarelo-avermelhadas e após duas semanas a árvore morre.

Na América do Norte, o mercado de maçãs rende US$ 4 bilhões por ano e isto está deixando os agricultores alarmados!

Afinal, o que definitivamente poderia estar causando as mortes das macieiras?

Segundo os cientistas, existem várias hipóteses: de um lado a seca do verão e por outro, o rigoroso inverno, dois extremos climáticos, enfim, mudanças bruscas de temperaturas que causam estresse nas macieiras.

Sob condições de estresse, as macieiras ficam mais vulneráveis à ação de pragas, insetos e patógenos, mas isso não é o suficiente para chegar a uma conclusão exata.

Além dessas hipóteses, o crescente aumento do uso de pomares de alta densidade tem favorecido o enfraquecimento do solo e das macieiras, já que elas precisam disputar entre si os nutrientes do solo e suas raízes se tornam mais frágeis devido a um menor espaço para o desenvolvimento da árvore.

O fato é que as causas podem ser muitas, mas a consequência é a dizimação das macieiras.

“Fileiras inteiras de árvores caem aparentemente sem motivo. Um fazendeiro perdeu 20% de seu pomar”, conta Kari Peter, patologista de plantas da Universidade Estadual da Pensilvânia.

É lógico pensar que exista uma relação entre todas essas causas e ainda o efeito da mudança climática sobre a temperatura, tornando as macieiras vulneráveis à ação das secas, frios intensos, pragas e patógenos.

E, por falar em vulnerabilidade, algum tempo atrás, os pesquisadores notaram nas áreas onde as macieiras foram afetadas, a presença de uma espécie de besouro que parasita e enfraquece estas árvores.

Seria esta uma outra provável causa do que está ocorrendo com as macieiras?

Para a pesquisadora Karl A. Peter esse inseto veio depois quando as macieiras já estavam em declínio e, no entanto, esse não era o denominador comum entre todas as árvores afetadas.

Para se confirmar todas essas probabilidades, os pesquisadores seguem na busca de respostas tentando fortalecer o sistema imunológico dessas árvores enquanto o mistério permanece.

“Não me surpreenderia se recebêssemos mais relatórios sobre o declínio de maçãs.

Quase 80% das macieiras na Carolina do Norte mostram sinais da RAD”, explica Sara Villani, patologista de plantas da North Carolina State University.

Esta não é a primeira vez que pomares de macieiras são devastados dessa forma, por isso os pesquisadores continuam buscando solucionar essa incógnita.

Após vários estudos, análises e observações sobre a forte incidência desse problema com as macieiras na América do Norte, a pesquisadora Kari A. Peter, chegou à seguinte conclusão:

“Este é provavelmente é um conjunto complexo de problemas e não apenas um problema abiótico ou biótico como causa.Algum tipo de estresse das árvores está provavelmente tornando-as suscetíveis, mas ainda não conseguimos determinar qual é o estresse exato da árvore. Podem ser vários estressores.

E para finalizar, ainda uma outra possibilidade que seriam os efeitos subletais a longo prazo de certos herbicidas. Mas ainda são necessárias mais pesquisas ainda que se tenha notado que o declínio das macieiras parece ser mais comum em pomares onde estes são empregados.

Pelo visto, há motivos de sobra para se afligir com essa situação.

Por mais que a ciência estude para manipular e controlar a Natureza, ela reage quando algo não vai bem!

Talvez te interesse ler também:

PROJETO PEDE SUSPENSÃO DO PACOTE DE VENENO LIBERADO NA MESA DOS BRASILEIROS

A EXPOSIÇÃO AO GLIFOSATO E A ESSES DOIS INSETICIDAS AUMENTAM O RISCO DE CÂNCER. NOVO ESTUDO

GLIFOSATO FOI UM FATOR DESENCADEADOR PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM CÂNCER. BAYER PERDE NA JUSTIÇA

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
Professora, alfabetizadora, formada em História pela Universidade Santa Cecília, tem o blog A Vida nos fala e escreve para GreenMe desde 2017.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Siga no Instagram
Siga no Facebook