O coronavírus continua ofuscando a pior invasão de gafanhotos do século

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

O coronavírus ainda ofusca a pior invasão de gafanhotos do século no continente africano. Alguns países enfrentam nova onda, com gafanhotos bem maiores.

Antes mesmo do novo coronavírus espalhar-se pelo mundo, alguns países da África enfrentavam o maior surto de gafanhotos do século. 

A invasão moveu-se do nordeste do Quênia em direção ao sul do Sudão do Sul e Uganda em meados de janeiro deste ano. Em fevereiro, já haviam chegado a países do leste africano como Etiópia, Quênia e Somália.

Devastação de colheitas e fome

A estimativa foi de mais 200 milhões de gafanhotos devastando as colheitas e vegetações, chegando a consumir em um único dia, uma quantidade de comida equivalente ao consumo diário de cerca de 90 milhões pessoas.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura – FAO, afirmou que começariam a agir imediatamente em colaboração com os governos e parceiros para combater a praga que se alimentavam das plantações de milho, feijão e mandioca de pequenos produtores em uma região vulnerável pela fome. Centenas de litros de pesticidas foram usados no combate à praga.

A segunda onda

Agora, especialistas afirmam que a segunda onda de gafanhotos vorazes está chegando em partes da África Oriental. Estimam-se que bilhões de insetos, cerca de 20 vezes do tamanho da primeira, estão saindo do deserto da Somália, região que concentra os criadouros, voando em busca de vegetação fresca que brota com as chuvas sazonais.

O grande problema é que essa praga de gafanhotos famintos, afeta diretamente milhões de pessoas que já estão em situação de vulnerabilidade, não somente porque perdem sua fonte de renda e comida, mas também por causa da pandemia do coronavírus.

Nessa situação, infelizmente, as pessoas precisam se reunir para tentar combater os gafanhotos e muitas vezes correm o risco de espalhar e contrair o vírus causador da Covid-19. Principalmente nas regiões rurais, locais onde as pessoas vivem com certo afastamento, ampliam as situações de risco devido à concentração das pessoas movidas com o objetivo de combater à praga, muitas vezes em vão, porque elas não possuem os mecanismos necessários.

Um agricultor de Uganda, Yoweri Aboket, disse que

“depois que pousam no seu jardim, eles causam destruição total. Algumas pessoas dizem até que os gafanhotos são mais destrutivos que o coronavírus. Existem até alguns que não acreditam que o vírus chegue aqui. ”

No Quênia, por exemplo, existem regras contra a aglomeração e circulação de pessoas por causa do coronavírus, então elas estão impedidas muitas vezes de saírem de casa para tentar combater a invasão dos gafanhotos. Alguns agricultores da vila de Abokat, batem em panelas de metal, assobiam ou jogam pedras para tentar afastar os insetos, muitas vezes em vão.

A preocupação é com a fome, qualquer plantação, qualquer vegetação devastada significa fome para as comunidades.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, teme por uma devastação ainda maior pois o surto de gafanhotos tem relação direta com as mudanças climáticas e a classifica como “uma ameaça sem precedentes” à segurança alimentar e aos meios de subsistência.

foto

Em nova avaliação, a FAO afirma que a situação atual na África Oriental continua extremamente alarmante, já que um número crescente de novos enxames está se formando no Quênia, sul da Etiópia e Somália.

Apelo de ajuda

A ONU elevou seu apelo de ajuda de US $76 milhões para US $153 milhões, dizendo que é necessária uma ação imediata antes que mais chuvas incentivem um maior crescimento nos números de gafanhotos. Até agora, a FAO arrecadou US $ 111 milhões em dinheiro ou promessas.

Segundo a FAO, a pulverização aérea é maneira mais eficaz de controlar o surto de gafanhotos, mas por causa das dificuldades em obter aeronaves, recorrem a combatentes em solo com uso de pulverizadores manuais.

Além da falta de dinheiro e estruturas, profissionais também reclamam por falta de equipamento de proteção.

O ministro da Agricultura da Etiópia disse que estão em andamento esforços para implantar seis helicópteros contra a infestação que pode durar até o final de agosto. Mas cada país tem sua política de combate, além de colaboradores que apoiam o governo local, não havendo um consenso na distribuição dos recursos.

Além disso, para agravar a situação, o porta-voz do Ministério da Agricultura da Etiópia, Moges Hailu, afirmou que os enxames de gafanhotos agora estão aparecendo em locais onde não haviam sido avistados anteriormente.

À FAO, o agricultor George Dodds mostra sua preocupação com o assunto:

“acho que, infelizmente, por causa de outras coisas acontecendo ao redor do mundo, as pessoas estão esquecendo o problema dos gafanhotos. Mas é um problema muito, muito real “.

Talvez te interesse ler também:

Justiça impede missionários de fazerem contato com indígenas isolados

Coronavírus Brasil: a tragédia que ninguém esperava, vai chegar em todos os lares

Apelo de um zoológico: ‘precisamos de fundos senão alguns animais servirão de alimento a outros’

Fonte e foto: abcNews

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
greenMe.com.br é uma revista brasileira online, de informação e opinião Editada também na Itália como greenMe.it
Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Instagram
Siga no Facebook