Política pública torna obrigatória a inclusão de alimentos orgânicos na merenda escolar dos paulistanos

  • atualizado: 
alimentos orgânicos

A cidade de São Paulo tem política pública que torna obrigatória a inclusão de alimentos orgânicos ou de base agroecológica na merenda escolar das crianças que frequentam o ensino público.

A lei regulamentada, Lei 16.140 de 2015 transformou em política pública a decisão de se dar prioridade aos alimentos orgânicos e agroecológicos que compõem a merenda escolar, os quais virão de associações e cooperativas de pequenos agricultores que trabalhem com essa condição técnica.

Segundo o Art. 3º da lei em questão “Entende-se por alimento orgânico ou de base agroecológica aquele produzido nos termos da Lei Federal n° 10.831, de 23 de dezembro de 2003, ou a norma que vier a substituí-la, devidamente certificado ou produzido por agricultores familiares, que façam parte de uma Organização de Controle Social – OCS, cadastrada no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, e tenham sido inscritos no Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos ou em outro que venha a ser instituído no âmbito federal”. E, que esta certificação orgânica só poderá ser “atestada por Organismo de Avaliação da Conformidade ou Organismo Participativo de Avaliação da Conformidade – OPAC devidamente credenciado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, nos termos da legislação federal vigente”, como consta no parágrafo único do mesmo artigo.

Este fato, de ter se tornado política pública, é de importância capital já que a decisão não poderá ficar restrita à gestão política que a aprovou mas, deverá ser continuada em todas as gestões subsequentes. Essa é a garantia de continuidade e qualidade que possibilitará às crianças do município gozarem de uma alimentação balanceada e de qualidade. Uma previsão que visa a saúde das crianças e dos futuros adultos do município, é o que resulta desta política pública que, desde 2012 vem sendo parcialmente aplicada visando alcançar agora, em 2016, a meta de 30% de alimentos orgânicos e agroecológicos a serem oferecidos.

"É muito importante esse diálogo da saúde com a educação. Essa preocupação que nós temos de que a alimentação escolar possa de fato desenvolver hábitos corretos na vida de uma criança. O significado disso é essencial na vida de uma pessoa. A nossa grande preocupação é que as crianças tenham uma alimentação saudável. Que ela aprenda a comer coisas que possam fazer bem para a vida dela, para a saúde dela, para sua história. O que investimos em uma alimentação saudável a gente economiza em medicamentos, em problemas com saúde.”, disse o secretário Gabriel Chalita (Educação).

Os recursos a serem aplicados em produtos da agricultura familiar na educação municipal já atingem, na atual gestão, 27% dos recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) – até 2012, esse investimento era de apenas 1%. E para maior incentivo o novo Plano Diretor já demarcou uma zona rural na cidade, na região sul, em Parelheiros, com vistas a expandir o plano de desenvolvimento agrícola familiar.

Talvez te interesse ler também:

seta VOCÊ JÁ PENSOU EM ADOTAR UMA PRAÇA NA SUA CIDADE?

seta ORGÂNICOS CONFIÁVEIS? DEPENDE. FEIRANTES SÃO FLAGRADOS VENDENDO FALSO ORGÂNICO

seta O QUE COMPENSA E O QUE NÃO COMPENSA COMPRAR ORGÂNICO

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!