Chimpanzés, bonobos, gorilas e orangotangos sofrem com o comércio ilegal

comércio ilegal

Após 10 anos de longas investigações sigilosas, foi descoberta uma grande rede de tráfico de grandes símioschimpanzés, bonobos, gorilas e orangotangos. Infeliz e tristemente nossos parentes biológicos estão sendo vítimas de assassinatos e de tráfico para serem usados como escravos de entretenimento em parques, safaris, jardins zoológicos e, até mesmo, como brinquedos de pessoas com alto poder aquisitivo.

Esse comércio milionário e ilegal já matou milhares de grandes símios e, atualmente, ameaça as espécies de extinção.

Leia também: Qual é o preço que os animais pagam pela tua diversão? Zoos, aquários, circos e muito mais

Nesta terça-feira (01) ativistas do Santuário para Chimpanzés Órfãos, Sweetwater Santuário de Chimpanzes, situado ao leste da África e administrado pela OL Pejeta Conservancy, anunciaram um projeto para acabar com a escravidão dos grandes símios. O projeto (intitulado PEGAS) tem por objetivo compreender e documentar o comércio ilegal de grandes símios: identificar rotas, mapas e pessoas envolvidas com o crime; chamar a atenção para o fato de que alguns países africanos permitirem a venda de animais protegidos. E denunciar o mais chocante: funcionários, de vários países da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora (CITES), estão envolvidos com o tráfico. Esses funcionários vendem licenças falsas aos traficantes, que utilizam da mesma para a prática ilegal de exportação.

“O crime organizado, envolvendo autoridades corruptas, ameaça os grandes símios de extinção, ao traficá-los para serem usados em apresentações ou como animais de estimações” denunciou Daniel Stiles, do projeto PEGAS (Project to End Great Ape Slavery). Segundo o relatório publicado pela ONU e Interpol, cerca de 22.000 grandes símios foram comercializados entre 2005 e 2011, porém para cada jovem macaco comercializado, pelo menos 10 macacos adultos foram mortos devido a caça brutal.

Este comércio ilegal deve parar!

Junto com o projeto foi lançada uma petição online, pedindo à Secretaria da CITES que resgate os macacos traficados ilegalmente, liberte-os em instalações adequadas e processe os traficantes e funcionários responsáveis pela documentação ilegal.

Ajude na campanha assinando a petição, e diga não à exploração animal!!!

Denuncie a caça, pesca, comércio ilegal e cativeiro de animais silvestres:

Ibama - denúncias pela Linha Verde (0800 618080), na sede em Brasília ou na superintendência do Estado Órgão estadual do meio ambiente - procure a regional mais próxima Polícia Civil - faça a denúncia pelo telefone 147 Polícia Militar - as denúncias podem ser feitas pelo telefone 190

Renctas (Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres) - encaminham denúncias (compra, venda ou transporte ilegal). O contato pode ser feito pelo telefone (61) 3368-8970 ou pelo link www.renctas.org.br

Fonte fotos: olpejetaconservancy.org