Dois chimpanzés poderão ter direitos humanos reconhecidos

  • atualizado: 

chimpanze direitos humanos

Hercules e Leo, dois chimpanzés usados ​​para pesquisas na Stony Brook University, em Nova York, poderão ser tratados com personalidade jurídica, ou seja, com aptidão genérica para adquirir direitos e contrair deveres. Assim como Sandra, a orangotango fêmea enjaulada em um zoo de Buenos Aires, os dois chimpanzés em breve poderão ser considerados por um Tribunal, como ilegalmente privados de liberdade.

Apesar de o direito não conceder personalidade jurídica aos seres vivos que não sejam humanos, o The Nonhuman Rights Project (TNRP) entrou com um pedido de Habeas Corpus, o mesmo usado para contestar a legalidade da detenção de uma pessoa humana, em favor dos chimpanzés. A frase latina que etimologicamente significa “que tenhas o teu corpo” é uma garantia constitucional em favor de quem sofre violência ou prisão arbitrária. O pedido é endereçado a um juiz competente, para que este, em presença do réu, verifique as condições da prisão e evite a detenção sem provas concretas de um delito.

Tal decisão poderia forçar a universidade, na posse dos chimpanzés, de libertá-los e influenciar outros juízes a fazerem o mesmo com outros animais utilizados em investigações científicas.

A muito bem colocada argumentação do TNRP que entrou com o pedido, é a de que os chimpanzés têm 99% de DNA equivalente ao de seres humanos, o que lhes poderia dar os mesmos direitos e liberdades básicos das pessoas físicas.

"Este é um grande passo para conseguir o que estamos procurando há algum tempo: os direitos à integridade física e à liberdade para os chimpanzés e outros animais cognitivamente complexos", diz Natalie Prosin, diretora-executiva do The Nonhuman Rights Project. Nós colocamos o pé na porta. E não importa o que acontecer, esta porta nunca mais será completamente fechada."

No acórdão, a juíza do Supremo Tribunal de New York, Barbara Jaffe, ordena que um representante da Brook University Stony compareça ao Tribunal no dia 6 de maio para responder à acusação de posse ilegal de Hércules e Leo, e determinar se eles devem ser imediatamente transferidos para uma santuário de chimpanzés na Flórida.

Ambos animais foram utilizados em experimentos para entender a evolução do bipedalismo em seres humanos. O Stony Brook University até agora não comentou sobre o acórdão histórica.

"Nós temos a evidência científica para provar em um tribunal que elefantes, grandes macacos, baleias e golfinhos são como seres autônomos e merecem o direito à integridade física e à liberdade", disse o grupo.

Clique aqui para ler o documento.

Leia também:

SANDRA, A ORANGOTANGO DE BUENOS AIRES SERÁ LIBERTADA GRAÇAS AO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

CHIMPANZÉ NÃO TEM DIREITOS HUMANOS, DECIDE TRIBUNAL EM NOVA IORQUE

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!