Desmatamento e incêndios na Amazônia: da Nestlè ao Carrefour, aqui estão as multinacionais com a consciência suja

  • atualizado: 
desmatamento

Incêndios estão destruindo a floresta amazônica brasileira. Mas, diante dessa situação, como devem agir as principais empresas de fast food, como McDonald's, KFC, Burger King e até a Nestlé e o Carrefour?

Quase 2,5 milhões de hectares de terra foram queimados em agosto, segundo dados publicados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o órgão brasileiro responsável pelo monitoramento das florestas. Os povos indígenas acusam Bolsonaro pela situação atual, no entanto, os responsáveis pelo desmatamento e, indiretamente, pelos incêndios, não são apenas agricultores e criadores de gado, mas também as principais cadeias de fast food. Por quê?

O novo relatório Might Earth

Os ecossistemas da Amazônia são dizimados pela criação de gado e pela produção de soja. McDonald's, KFC e Burger King compram carne brasileira e as três cadeias servem frango alimentado com uma dieta à base de soja. Mas não é só. De acordo com um novo relatório da ONG Might Earth, haveria muitas outras empresas envolvidas no desmatamento, como a JBS, Bunge e Cargill, Stop & Shop, Costco, McDonald's, Walmart/Asda, Nestlé, Burger King e Sysco.

"Essas empresas não apenas financiam diretamente o desmatamento, mas têm constantemente pressionado os governos a interromper as proteções ambientais básicas. Ninguém que faz negócios com a Cargill e a JBS pode falar seriamente que está preocupado com o desmatamento”, explica Glenn Hurowitz, CEO da Mighty Earth.

Para se ter uma visão geral da situação, denunciada em várias ocasiões pelo Greenpeace, é importante lembrar que

  • o McDonald's é o maior cliente da Cargill, que serve carne bovina brasileira e frango alimentado com soja.
  • O Burger King segue exatamente a mesma política.
  • A Nestlè, que há anos vem assumindo compromissos públicos contra o desmatamento, de fato não compra mais óleo de palma, mas usa soja e compra alimentos para animais da Cargill.
  • Quanto ao Carrefour, a empresa francesa é uma das maiores redes de supermercados do mundo e compra da Cargill e da JBS. O Carrefour se comprometeu a não usar, a partir de 2020, produtos que aumentam o desmatamento, mas a regra não se aplica aos produtos processados ou congelados.

"KFC, McDonald's e Burger King estão entre os maiores nomes do fast food. Seus restaurantes são encontrados em todo o mundo. Se essas empresas de fast food se declarassem contra a destruição das florestas e mudassem de direção, todo o setor poderia mudar ", afirma o Greenpeace.

Em geral, a demanda doméstica e internacional por carne bovina alimentou a rápida expansão da indústria pecuária na Amazônia. De 1993 a 2013, o gado na Amazônia cresceu quase 200%, chegando a 60 milhões de cabeças.

"Cinco anos atrás, empresas como Cargill, Unilever e Yum Brands estavam no palco da Cúpula do Clima de Nova York e proclamaram seu compromisso de remover o desmatamento de suas cadeias de suprimentos até 2020. O mesmo se deu no Fórum de Bens de Consumo, cujos membros incluem a Walmart, Marte e Danone. Todos ainda precisam manter esse compromisso. Essas empresas precisam assumir a responsabilidade pelos impactos de seus produtos, bem como eliminar os incentivos econômicos que promovem essa perigosa destruição ambiental", escreve a ONG.

Talvez te interesse ler também:

CONSUMO DE CARNE E QUEIMADAS NA AMAZÔNIA: TUDO A VER

CACIQUE RAONI É CANDIDATO AO PRÊMIO NOBEL DA PAZ POR SUA LUTA EM DEFESA DA AMAZÔNIA

SEGUNDO HUMAN RIGHTS WATCH, GOVERNO BRASILEIRO 'ENCORAJA' VIOLÊNCIA NA AMAZÔNIA

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!