Assembléia da ONU no Quênia discute diretrizes para o futuro do meio ambiente

Assembléia da ONU no Quênia: futuro do meio ambiente

Nesta segunda-feira (23) teve início a Assembleia Ambiental das Nações Unidas (UNEA, na sigla em inglês), com a participação de mais de uma centena de ministros, cientistas e representantes da sociedade civil e do setor privado. A assembleia foi organizada na sede do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), em Nairobi, sob o temaUma vida digna para todos”, a UNEA debaterá até o dia 27 de junho temas-chave para o meio ambiente mundial, incluindo tráfico ilegal de espécies e os objetivos do desenvolvimento sustentável.

O subsecretário-geral da ONU e diretor executivo do PNUMA, Achim Steiner comenta que “A UNEA é um marco nesta jornada de 40 anos para colocar os desafios ambientais no mesmo status da paz, segurança, comércio e saúde. O fato de pela primeira vez todos os Estados-membros da ONU estarem representados para debatê-los aumenta sua legitimidade e a representação, e empodera os ministros do meio ambiente. Devemos aproveitar a oportunidade para unir o mundo no seu esforço para fazer uma correção de trajetória e moldar um futuro sustentável para a humanidade”. Para muitos, a criação da UNEA representa o amadurecimento do meio ambiente como uma questão mundial, uma vez que coloca, pela primeira vez, as preocupações ambientais em pé de igualdade com as de paz, segurança, econômicas, saúde e comércio.

Os principais temas da UNEA incluem o comércio ilegal de animais silvestres, o estado de direito e a legislação sobre meio ambiente, financiamento da economia verde, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e a Agenda de Desenvolvimento pós-2015, incluindo consumo e produção.

Em resposta ao que foi discutido na Rio+20 em 2012, a UNEA possui mandato para tomar decisões estratégicas e fornecer orientação política no trabalho do PNUMA, e tem também o objetivo de promover uma interface forte entre ciência e política. Sempre que necessário, a UNEA também pode recomendar projetos de resolução para aprovação na Assembleia Geral das Nações Unidas, para a ação de todo o Sistema ONU.