Maiores emissores de gases de efeito estufa divulgam metas até 2030

  • atualizado: 

foto

Cada dia que passa representa um espaço menor para a chegada de um dos dias mais importantes, senão o mais importante, evento do ano para o planeta: o dia da 21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima (COP21), marcada para dezembro em Paris. E 149 dos países participantes já anunciaram suas metas para a redução de gases de efeito estufa entre 2025 e 2030 e, claro, são insuficientes na opinião de organizações, pois não contemplam o objetivo que é impedir que a temperatura da Terra aumente mais do que 2°C até o ano de 2100.

A maioria desses países estão entre os principais emissores do mundo, representando 90% dos gases de efeito estufa lançados na atmosfera e a China é o maior deles, com 25% de todas as emissões e, pela primeira vez, comprometeu-se em impor um limite de GEE até 2030.

União Europeia

Enquanto isso a União Europeia, precursora das emissões de gases geradores do efeito estufa, pretendem reduzir em 40% pelo menos até 2030, com base o ano de 1999 e conseguir o equilíbrio zero de carbono até 2100, que seria alcançado não parando somente, mas compensando as emissões lançadas.

A União Europeia é a 3ª maior emissora com 10% do CO2 e entra na lista das criticadas, no caso pela Fundação Hulot, que afirma que o bloco poderia “melhorar sua contribuição.”

Enquanto que o Climate Action Tracker, com vários grupos de investigação, avalia o envolvimento da UE como “mediano”.

Índia

A crítica seguinte vai para a Índia, 4° maior emissor, que irá reduzir a intensidade de 35% até 2030, tendo base o ano de 2005, sem fixar um objetivo de redução global de emissões.

Rússia

O próximo é a Rússia, 5° maior emissor, promete cortar entre 25% e 30% com ano base de 1999 até o ano de 2030. O Climate avalia o bom efeito das florestas russas, porém ressalta que os números russos são insuficientes, quando avalia os números da indústria russa.

Japão

O Japão promete reduzir os GEE em 26% entre 2013 e 2030, pois conta com o retorno do uso de energia nuclear (e isso é positivo?) que parou desde o desastre de Fukushima em 2011. As organizações avaliadores consideram, claro, que o esforço japonês e a forma deste “sacrifício” é insuficiente.

Brasil

Redução de 43%, a meta de Dilma Rousseff tem o ano base de 2005 e aposta nas energias renováveis, também foi criticada, pois, o esforço contra o desmatamento foi classificado como insuficiente.

Do outro, a maioria dos principais países produtores de petróleo não entregaram seus planos à Organização das Nações Unidas (ONU), entre os quais Arábia Saudita, Irã, Omã, Catar, Kuwait, Nigéria e Venezuela.

Leia também:

APÓS ACORDO COM A CHINA, EUA ASSINAM DECRETO PARA REDUÇÃO DE EMISSÕES

CONHEÇA OS SETORES QUE MAIS EMITEM GASES DE EFEITO ESTUFA NO BRASIL

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!