Terremoto matou seis no Chile

Terremoto no Chile

Aproximadamente um milhão de pessoas foram evacuadas depois do terremoto que atingiu a costa noroeste do Chile, de magnitude 8,2, na noite de terça-feira. A presidente Michelle Bachelet decretou estado de emergência em três áreas afetadas pelo tremor, que matou seis pessoas. As vítimas morreram de ataques cardíacos e em razão de desabamentos.

O terremoto ocorreu por volta das 20:46 (horário local), aproximadamente 100 km a noroeste de Iquique, a 20 km de profundidade. Foram relatados alagamentos em algumas cidades. O tremor possibilitou a fuga de mais de 300 prisioneiras da penitenciária de Iquique, das quais 39 já haviam sido recapturadas. 11 hospitais também tiveram que ser evacuados, de acordo com as autoridades. Devido à intensidade do tremor, autoridades expressaram surpresa em relação ao terremoto ter causado relativamente poucos danos.

O evento foi o sismo mais intenso desde o terremoto de magnitude 8,8 ocorrido em 2010, que matou mais de 500 pessoas, destruiu mais de 200 mil moradias e produziu danos estimados em US$ 30 bilhões (aproximadamente R$ 68 bilhões). A energia liberada pelo tremor de 2010 foi responsável por uma ligeira alteração na rotação da Terra.

O tremor ocorrido ontem também desencadeou deslizamentos de terra, bloqueando estradas, causando apagões, danificou um aeroporto, provocou diversos incêndios, e foi forte o suficiente a ponto de ser sentido em La Paz, Bolivia, a mais de 450 km de distância do epicentro, com intensidade equivalente à de um tremor de magnitude 4,5. Nas horas seguintes ao terremoto, ocorreram oito ondas de choque, inclusive uma com magnitude de 6,2.

O terremoto mais intenso já registrado na face da Terra também aconteceu no Chile, em 1960, que, com magnitude de 9,5, causou a morte de mais de 5000 pessoas.

O Chile faz parte do “Círculo de Fogo” do Pacífico, um arco de vulcões e falhas tectônicas, com frequentes terremotos e erupções vulcânicas. É um dos países mais sujeitos a terremoto do mundo, pois a placa de Nazca se afunda por baixo da placa Sul-Americana a pouca distância da costa chilena. Esse é o movimento que formou a Cordilheira dos Andes, e continua a torná-la mais alta de ano a ano.

Fonte foto: Agência Brasil