Alimentos geneticamente modificados. O que são? Onde são produzidos? Quais são seus danos?

  • atualizado: 

Alimentos geneticamente modificados

Presentes nas dietas de muitos, os organismos geneticamente modificados (OGM) são favorecidos pelas características desejadas a partir da manipulação genética. Já os alimentos transgênicos recebem DNA de outros organismos, podendo até ser de espécies diferentes.

Atualmente, vinte e sete países cultivam plantas transgênicas. Se somados todos os ganhos desde o primeiro cultivo transgênico, a biotecnologiarendeu em 123 milhões de hectares de áreas plantadas no mundo, o equivalente ao tamanho do estado do Pará.

O Brasil é o segundo maior produtor de transgênicos no mundo, com 40,3 milhões de hectares plantados; em primeiro lugar vem os EUA com 70,2 milhões. A perspectiva brasileira é de que a adoção da soja transgênica cresça nos próximos anos, chegando a 95% da área plantada, destinando apenas os 5% restantes à produção de grãos orgânicos convencionais.

Segundo a CNTBio, as avaliações de segurança dos transgênicos seguem padrões internacionais definidos pela Organização Mundial da Saúde e pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, ambas as entidades apresentaram apoio aos alimentos GM. Desde 2005, compete à CNTBio (Lei 11.105/05) a análise técnica da biossegurança do OGM sob o aspecto de saúde humana, vegetal e ambiental.

Os governos, de forma geral, defendem os OGM alegando que com a modificação genética é possível criar culturas com melhores valores nutricionais, com prazos de validade maiores, aumentando suas produtividades, devido aos genes que podem ser empregados para resistência a pragas, produtos químicos e para melhorias na qualidade dos alimentos.

Mas não é bem assim que apontam alguns estudos. Os riscos gerados por OGMs à saúde humana ou animal ainda estão em pesquisas prematuras e discutíveis. Os produtos OGM podem gerar alergias em pessoas suscetíveis a resistências a antibióticos. Para a economia, a maior preocupação é o monopólio dos OGMs, visto que este tipo de cultivação só vem aumentando no mundo. Fora isso, a biotecnologia prejudica também as técnicas agrícolas familiares e milenares que conviviam de forma equilibrada com o meio ambiente. Outro ponto de vista importante a ressaltar é a preocupação com a possível sobreposição das espécies GM sobre as naturais, podendo causar a extinção das espécies originais.

Os Estados deveriam ficar atentos ao permitirem pesquisas e plantios em seus no territórios. No Brasil, há uma lista de espera para a análise pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança. Na lista encontra-se novas variações aos transgênicos tradicionais como soja, milho, algodão e variedades como eucalipto, alface e cana de açúcar. Até agora a comissão já aprovou a utilização de 58 produtos geneticamente modificados, incluindo vacinas.

E assim a biotecnologia vai longe, enquanto deveria ainda ser muito discutida.

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!