Soja + agrotóxico = extermínio de abelhas em cidades gaúchas

  • atualizado: 
abelha morta

Agrotóxico, soja e abelhas. O que pode haver em comum entre esses elementos?

No Rio Grande do Sul, cerca de 80% das abelhas estão morrendo por causa do agrotóxico fipronil, usado na lavoura da soja.

Conforme informou o Canal Rural da UOL, a Câmara Setorial de Apicultura do estado registrou, nos últimos meses, o extermínio de colmeias em oito municípios gaúchos. O engenheiro agrônomo Aroni Sattler analisou, em 2018, 30 episódios registrados no Rio Grande do Sul. A análise concluiu que a ingestão ou o contato das abelhas com o inseticida fipronil – usado para proteger sementes de soja contra insetos – foi o responsável por exterminar os apiários.

Da equipe de Sattler, o biólogo Osmar Malaspina, que estuda abelhas há quatro décadas, diz que a utilização incorreta do produto é a causa do problema. Aldo Machado, coordenador da Câmara Setorial de Apicultura, também concorda com esse diagnóstico:

“É um problema que vem se agravando de dois anos para cá, e não tem ninguém fiscalizando. O Ministério Público não está se mexendo, o governo também não”.

O uso incorreto está sendo feito na fase da floração das culturas de soja, que são visitadas pelas abelhas.

“O produto mata por contato e ingestão. Qualquer outro inseto que encoste nessa abelha morre também”, explica Machado. 

Quem está pagando a conta é o apicultor, já que o prejuízo por colmeia é de R$ 810.

Fipronil

O fipronil é um inseticida usado de forma ampla na agricultura por controlar várias pragas ao mesmo tempo. O pesquisador da Embrapa Samuel Roggia explica que “ele apresenta um efeito residual no ambiente um pouco mais longo do que outros produtos, mas é bastante seguro contra seres humanos e animais de sangue quente”. Por isso, é bastante utilizado como ingrediente de inseticida para uso doméstico. Na cultura da soja, o fipronil é aplicado para controlar insetos nas fases anteriores à floração.

No Reino Unido, pesquisas apontam que esse inseticida foi responsável pela morte de milhares de abelhas de 1994 a 1998, na França. Em 2017, a União Europeia proibiu o seu uso.

O problema da proibição do produto no Brasil, na opinião de Malaspina, é o clima brasileiro. Na Europa, há frio intenso por muitos meses, o que naturalmente extermina as pragas. No nosso clima tropical, elas estão presentes durante todo o ano. A solução seria, então, conscientizar os agricultores sobre o problema do uso do fipronil, que acarreta a morte desses polinizadores. Haveria outras opções que não impactam a vida desses animais e a nossa, a longo prazo.

Sem as abelhas a segurança alimentar corre sério risco!

Talvez te interesse ler também:

SE VOCÊ VIR TAL CENA, NÃO TENHA MEDO! SÃO ABELHAS VIAJANDO, DEIXE-AS EM PAZ

OS INSETOS ROBÔS QUE POLINIZARÃO NO LUGAR DAS ABELHAS

IPRODIONE - O FUNGICIDA QUE ESTÁ MATANDO AS ABELHAS

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!