©cnet.com

Reciclagem: como foram feitas as medalhas das Olimpíadas de Tóquio?

Reciclagem: como foram feitas as medalhas das Olimpíadas de Tóquio?

O Japão é um país referência em tecnologia de ponta. Nas Olimpíadas 2020, sediadas em Tóquio este ano, adiadas causa pandemia, o país oriental não iria deixar de mostrar ao mundo o que é capaz de fazer com a sua fama.

A Organização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio coletou mais de 70 toneladas de celulares, computadores e outros dispositivos eletrônicos para reutilizar ouro, prata e bronze para a produção de medalhas.

O Japão é um país no qual esses aparatos são muito consumidos, o que gera, por consequência, muito lixo eletrônico.

Para fabricar as 5 mil medalhas dos Jogos, a Organização se empenhou em conseguir matéria-prima para a reciclagem. Segundo Tereza Cristina Carvalho, membro do Instituto dos Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE) e pesquisadora da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), é muito difícil conseguir uma quantidade para esse tipo de reciclagem porque a quantidade de metal encontrada em um celular, por exemplo, é muito pequena:

“É uma quantidade muito pequena de ouro e de cobre [nos aparelhos]. Esse volume vem diminuindo gradativamente com o avanço da tecnologia porque os metais são recursos não renováveis. Então, as empresas vêm desenvolvendo tecnologia para fazer as conexões com a quantidade cada vez menor deles”, disse ela ao G1.

Para conseguir, então, o volume de metal adequado para produzir as medalhas, a coleta dos dispositivos ocorreu entre abril de 2017 e março de 2019 em mais de 18 mil pontos espalhados por todo o Japão.

A quantidade de metais extraída a partir do lixo eletrônico foi:

  • 32 quilos de ouro;
  • 3.500 quilos de prata;
  • 2.200 quilos de bronze.

Reciclagem eletrônica: como é feita

A reciclagem eletrônica é um processo complexo que consiste em, primeiramente, triturar as placas de circuito impresso em pó. Depois, os metais são separados por decantação para serem levados a fornalhas onde são derretidos para ganhar novos usos e formatos.

Só que antes de todo esse procedimento, os aparelhos precisam ser desmontados manualmente, pois eles não têm um projeto padronizado.

Sem dúvida, a Organização dos Jogos merece uma medalha de ouro por ter pensado e executado a reciclagem de lixo eletrônico!

Mas na verdade, a ideia não é tão original.

O Brasil inovou nas medalhas da nossa Olimpíadas Rio 2016. Além do uso de materiais reciclados (nas medalhas de prata e bronze e nas fitas), o ouro das nossas medalhas foi extraído sem uso de mercúrio. Além disso, o desenho das medalhas se baseou nos conceitos de sustentabilidade e acessibilidade.

Ou seja, fizemos escola e se a moda pega daqui por diante, só medalhas reciclada afinal, ouro e minerais em geral, são obtidos com processos poluentes e insalubres para o homem e para o meio ambiente.

Talvez te interesse ler também:

A extração do ouro é cruel ao ambiente, mas ouro ético será que existe? 

Ouro de tolo não é tão tolo assim e pode valer muito mais

30 Pedras Preciosas: Significados e Benefícios (com fotos para você reconhecer)

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *