Álcool gel “fake”: UFPR analisa amostras e detecta que 80% estão fora dos padrões

Álcool gel “fake”: UFPR analisa amostras e detecta que 80% estão fora dos padrões

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) analisou amostras de álcool gel enviadas ao laboratório de Química e detectou que 80% delas estão irregulares. Ou seja, a maioria é “fake”.

De acordo com a Anvisa, o ideal é que o teor alcoólico esteja entre 68 a 72% para ser eficaz contra o coronavírus.

O problema é que os consumidores não têm condições de verificar se o conteúdo da embalagem condiz com o que está informado nela. Ou seja, quando compramos o produto, mesmo que ele tenha cheiro de álcool e conste na embalagem que possui 70% da substância, não temos como comprovar essa informação no ato da compra.

Pensando nisso, a UFPR passou a receber amostras de álcool gel da população para fazer análises gratuitas com o intuito de certificar se o produto atende as especificações da Anvisa.

Para isso, basta separar meio miligrama do produto, colocar em um recipiente de vidro e enviar pelos Correios para a Universidade.

Quem mora em Curitiba pode enviar a amostra pessoalmente. O endereço do Centro Politécnico da UFPR é: Av. Cel. Francisco H. dos Santos, 100 – Jardim das Américas – Curitiba – PR.

Importante salientar que essa análise não tem valor jurídico e serve apenas para orientar o consumidor sobre a quantidade de álcool presente na amostra enviada, segundo informa a própria universidade.

Como é feito o teste?

A UFPR utiliza a Ressonância Magnética Nuclear (RMN) para determinar o teor de álcool etílico em sanitizantes a base de álcool gel.

Com o intuito de auxiliar a população, os professores do Setor de Exatas da UFPR disponibilizaram a possibilidade de averiguar as amostras de álcool em gel, utilizando a técnica RMN.

As análises são gratuitas e respeitam o sigilo com as marcas e os registros, pois servem apenas de informação para o consumidor.

O teste deve ser agendado através do e-mail: alcoolgel@c3sl.ufpr.br.

Talvez te interesse ler também:

Covid-19 na Europa: lockdown, toque de recolher, recorde de mortes e protestos

Juliana: a menina cientista que participou do Nobel e ganhou nome de asteroide

Máscaras de pano funcionam bem, mas só se lavadas corretamente

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *