Peixe faz bem? Conheça as espécies mais saudáveis

  • atualizado: 
prato-de-peixe

Nós sempre ouvimos que devemos incluir na nossa alimentação pescados, porque fazem bem à saúde. Mas será que todos eles realmente são saudáveis para o consumo humano?

Os peixes têm nutrientes importantes para o nosso organismo, como ômega-3 e proteínas, além de terem pouca gordura e baixa caloria.

Entretanto, apesar de serem benéficos, os peixes e frutos do mar oferecem, também, riscos à nossa saúde, devido à alta concentração de mercúrio encontrada em sua carne.

Para a BBC, o presidente do Departamento de Meio Ambiente da Escola de Medicina do Chile, Andrei Tchernitchin, esclareceu que: "Os peixes que têm maior concentração de mercúrio são os que estão no final da cadeia alimentar, e não é recomendável consumi-los mais do que duas vezes ao mês".

Seria necessário saber sobre a procedência do peixe, se de áreas mais ou menos contaminadas, o que dificulta um consumo totalmente seguro. Por isso seria importante não exagerar na quantidade e preferir comer os peixes das espécies não-predadoras (tubarões, peixe-espada, veja a lista abaixo).

Riscos do mercúrio para a saúde

A alta concentração de mercúrio pode provocar inúmeros problemas para o organismo humano. Dentre eles: problemas para os sistemas nervoso, digestivo e imunológico, além de afetar pulmões, rins e olhos.

O mercúrio se acumula em peixes e frutos do mar por causa da contaminação da água proveniente, principalmente, da queima de carvão. Quando liberado no meio ambiente, o mercúrio pode ser transformado em metilmercúrio, por ação de bactérias.

Os peixes e mariscos concentram mais a substância do que o seu entorno.

Leia mais: MERCÚRIO: AS PRINCIPAIS FONTES E OS 10 MOTIVOS QUE EXPLICAM A SUA TOXIDADE PARA O NOSSO ORGANISMO

Alerta para grávidas e crianças

Para as mulheres grávidas, lactantes e crianças menores de três anos, a recomendação é muita cautela no consumo de peixes e frutos do mar porque estes indivíduos são mais sensíveis aos efeitos nocivos do mercúrio e o risco de intoxicação alimentar é maior entre esse grupo.

"O aparecimento da intoxicação depende de fatores como teor de mercúrio, quantidade ingerida e freqüência de ingestão, pois estes fatores determinam a ocorrência de acumulação de metilmercurio no organismo humano. Assim, a intoxicação causada pela ingestão de peixes con- taminados por metilmercúrio, pode ser leve, apresentar sintomas como vômitos freqüentes, paralisia, cegueira, coma, ou até ser letal. Outro aspecto importante é a possibilidade de ocorrer intoxicação do feto durante a gestação, devido ao consumo de peixes contaminados por metilmercúrio pela gestante", lê-se neste estudo da USCS.

Quais peixes evitar?

Veja lista com os níveis de concentração de mercúrio encontrados nos peixes.

Alta concentração:

Tubarão

Peixe-espada

Agulha

Cavala

Corvina (do Pacífico)

Bacalhau-negro

Robalo-chileno

Atum

Concentração moderada:

Robalo-riscado

Carpa

Lagosta

Tambaril

Peixe-búfalo

Baixa concentração:

Chaputa

Anchovas

Bagre

Moluscos

Lagostas

Ostras

Salmão

Sardinha

Camarão

Lula

Tilápia

Bacalhau

Abadejo

Vieiras

Truta.

Quanto consumir?

A OMS aplica um consumo máximo de até 400 gramas de peixe por semana para um adulto de 60 quilos, segundo divulgou a Fiocruz. Vários estudos analisaram as quantidades de mercúrio encontradas em peixes, como este aqui em Belém-PA e este no Rio de Janeiro. Porém é muito difícil indicar se os limites permitidos pela Anvisa estão sendo respeitados por causa das variantes na medição (chuvas, etc). O ideal seria que cada singelo peixe fosse testado antes de ser comercializado.

De qualquer forma, um risco de contaminação pode acontecer mesmo se o peixe consumido estiver dentro do limite da OMS, quando se ultrapassa os 400 gramas dessa carne em uma semana.

Pode-se pensar que o peixe criado em cativeiro é mais saudável por haver menor, ou zero, exposição ao mercúrio, mas aí existem outros riscos como o uso indiscriminado de antibióticos e a alimentação dada aos peixes.

Chega de peixe?

Não está proibido comer peixes e frutos do mar, basta ficar atento à quantidade consumida para aproveitar os benefícios que eles proporcionam à saúde.

No entanto, existem outras fontes de ômega-3, que não o peixe, para quem quiser seguir uma dieta vegetariana. Também é necessário diversificar as espécies para não causar desequilíbrio ambiental (veja links abaixo).

Especialmente indicado para você:

10 ESPÉCIES DE PEIXES SÃO RESPONSÁVEIS POR 24% DA PESCA MUNDIAL

POR QUE NÃO DEVEMOS COMER SALMÃO?

ÔMEGA 3 NÃO TEM SÓ NOS PEIXES - CONHEÇA 6 FONTES VEGETAIS DE ÔMEGA 3

MONSTER BOATS: MEGANAVIOS PESQUEIROS QUE ESVAZIAM OS OCEANOS

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!