crianca-escrava

Nestlé e Cargill acusadas de trabalho infantil escravo podem se livrar de processo

Nestlé e Cargill acusadas de trabalho infantil escravo podem se livrar de processo

Um litígio judicial teve início em 2005 com 6 malianos contra uma subsidiária norte-americana da suíça Nestlé – a maior empresa produtora de alimentos do mundo – e a comerciante de commodities Cargill.

Os malianos acusaram as empresas de os terem escravizados enquanto crianças em plantações de cacau na Costa do Marfim. Os autores da ação judicial alegam que as empresas sabiam das condições de escravidão que estavam por trás do cacau barato que compravam.

Mas agora a Suprema Corte americana avalia colocar um fim ao processo.

Isso porque as empresas pediram ao Supremo Tribunal Federal dos Estados Unidos para encerrar as ações judiciais contra elas mas, segundo noticiou a Reuters, juízes da Suprema Corte norte-americana se mantêm cautelosos em barrar as ações judiciais porque, embora possam não estar envolvidas diretamente nas violações de direitos humanos, poderiam de fato, favorecer os abusos mediante omissão e estando conscientes dos preços praticados.

Os 9 juízes do Supremo Tribunal devem tomar a decisão de encerrar ou não o processo antes do final de junho de 2021.

Neal Katyal advogado das empresas envolvidas, alega que a questão não é “apenas” que suas assistidas abominam o trabalho escravo, mas que

“Se não tomarmos cuidado, julgamentos desse tipo proliferarão, durarão décadas e minarão nossa política externa”.

A sua resposta é já uma prova contra as empresas: mais vale a política e o comércio externos, que os direitos humanos internacionais.

Aguardemos.

Ontem foi o Dia Internacional Contra a Escravidão. (O International Day for the Abolition of Slavery). No Brasil, a data é lembrada dia 28 de janeiro.

Talvez te interesse ler também:

9 multinacionais do chocolate que exploram crianças

Madeira ilegal e glifosato em esquema de escravidão moderna em MG

Trabalho escravo ainda é realidade no Brasil: 21 pessoas resgatadas na Bahia

A proposta francesa de boicote à Amazon para refletir neste Natal

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *