As coisas não ditas fazem mal à mente e ao coração

As coisas não ditas fazem mal à mente e ao coração

As coisas não ditas fazem mal, elas permanecem na mente e no corpo, quase sempre tomam espaço e fazem de tudo para serem ouvidas.

Para conseguirem, tornam-se distúrbios, doenças. Na prática assumem diferentes formas, dependendo da pessoa e da “substância”, do conteúdo, que trazem consigo.

Alguns exemplos que podem representar, no corpo, o que a mente esconde:

  • Tosse cheia – simbolicamente representa que nós queremos banir de nós mesmos algo sujo, indesejável, irritante, entúpido, desagradável, invasivo. A tosse quando se torna crônica, pode evidenciar o nosso sentimento de raiva e agressividade em relação a uma determinada situação;
  • A dor de estômago expressa raiva e nossa dificuldade em “digerir” situações que estamos vivendo;
  • Dor nas costas, muitas vezes nos adverte de um fardo pesado demais para nós;
  • Cistite pode ser causada pela percepção de uma invasão em território que não queremos ou não podemos nos rebelar.
  • A dor de cabeça pode representar uma série de pensamentos perturbadores que racionalmente tentamos não dizer e tentamos ter sob controle.
  • E os nós na garganta? Podem indicar tristeza ou dor não expressa, que pressionam para sair e se tornar um verbo.

Provavelmente todos nós, por experiência própria, sabemos que se tivermos a oportunidade de “dizer” o “nó”, este se desfaz, se transforma. Não por acaso!

Claro, dá para tentar descarregar a “tensão emocional” fisicamente, praticando esportes, caminhando ou dando socos em um travesseiro mas, se conseguirmos descarregar também através da linguagem, falando, o efeito de bem-estar será sem dúvida maior.

A razão é fácil de entender: a palavra tem em si um aspecto criador, dá forma, torna explícito o implícito: permite demonstrar e reconhecer.

Porém dizer as coisas a nós mesmos ou até mesmo “aos outros” – pode não ser suficiente por duas razões:

A primeira delas é que as palavras podem nos tirar muita energia física e mental (especialmente quando elas vêm como furacões, inesperadas e impactam todo o nosso sistema emocional e energético). Precisamos de um tempo, mais ou menos longo, para “reorganizar” o pensamento antes de metralhar palavras e frases e até mesmo para encontrar os termos justos para não causarmos efeitos devastastes sobre nós e à nossa volta.

Portanto quaisquer que sejam os sentimentos, pensamentos e coisas a serem “ditas”, devemos ter o cuidado na escolha das nossas palavras, evitando assim ferir outras pessoas.

A segunda razão está relacionada a um “egoísmo saudável” que consiste em tentar encontrar o modo de dizer o que deve ser dito, sem machucar o outro, mas também tentando exprimir do melhor modo possível, tudo aquilo que estiver “entalado”, a fim de fazer sair tudo para fora e para curar-se a si.

E assim, entre dizer e fazer, mora o nosso objetivo verdadeiro, espiritual, que é o de crescermos em conhecimento e em amor, a nós mesmos e aos outros.

Leia mais Segredos para ser Feliz:

ESCUTAR O PRÓPRIO BATIMENTO CARDÍACO MELHORA A CAPACIDADE DE ENTENDER O OUTRO

ESCOLHA UMA DESTAS BORBOLETAS E DESCUBRA ALGO ESCONDIDO NO TEU SUBCONSCIENTE

POR QUE ESTOU ANGUSTIADA? CONHEÇA OS REMÉDIOS CASEIROS PARA ALIVIAR ESTE MAL

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *