Por que algumas pessoas estão sempre insatisfeitas?

Por que algumas pessoas estão sempre insatisfeitas?

Existem pessoas que são “carinhosamente” chamadas de o “reclamão de plantão”, ou seja, aquela pessoa sempre insatisfeita com tudo e com todos. Será que isso é normal?

Pode ser difícil saber o limite de uma reclamação, pois sempre haverá algum motivo para reclamarmos da vida. Problemas com trabalho, dinheiro, amizade, amor, enfim, sempre podem surgir ao longo da vida, mas e quando parece que nada está bom o suficiente?

Existe um limite saudável para a reclamação?

A reclamação não deve ser vista como algo negativo, pois é a partir da insatisfação que também mudamos um estado de coisas que não nos agradam. Não podemos confundir sonhos, proatividade e a busca pelo crescimento pessoal como um problema de insatisfação com tudo e todos. As pessoas têm estilos diferentes para encarar a vida.

O problema é quando a insatisfação se torna frustração, levando a pessoa a não se contentar com nada que tem. Essas pessoas ficam focadas no que não têm no presente e não buscam satisfazer o seu desejo de mudança pela concretização de objetivos plausíveis.

O G1 entrevistou a psicóloga Jaqueline Pitchon acerca do tema da insatisfação, sobre o qual ela explicou que o ser humano é um ser de faltas, pois é o desejo pelo que não tem que o move. O ser humano precisou usar a criatividade para alcançar algo melhor, mas é o exagero disso o problema.

Quando a pessoa sente uma falta, mesmo conquistando o que deseja, algo não vai bem. No estudo da psique humana, analisa-se como as carências afetivas se deslocam para outros lugares. As pessoas podem canalizar essa falta constante de algo, por exemplo, comprando demasiadamente.

Existe diferença entre a insatisfação específica e a genérica. Quando a falta é específica, canalizada para um aspecto da vida, como o amor ou a profissão, a psicóloga explica que ela representa a frustração sobre uma escolha errada. Por exemplo, a insatisfação no trabalho. A causa aí é clara. Já quando a pessoa não se satisfaz com nada, ela não está satisfeita com ela mesma, que é um dos sintomas da depressão.

Atualmente, as pessoas são mais incentivadas a buscar o que lhes satisfaz. Isso não quer dizer que antes não existia tanta insatisfação, mas falar dela era mais contido.

As crianças também têm se mostrado muito insatisfeitas, o que, em geral, está associado à falta de afeto ou cuidado. Há pais que tentam compensar o problema “dando demais”, o que, naturalmente, não supre a falta da criança por carinho e atenção.

Quando a insatisfação se torna um problema

O problema da insatisfação exagerada é que ela nunca deixa a pessoa curtir o presente e aquilo que tem. O foco dessas pessoas não é entender o presente e a própria vida, mas em criar algo melhor fora dessa realidade. Isto é, as pessoas insatisfeitas não realizam o que desejam, mas focam no sofrimento da ausência.

O psicólogo e diretor da MS&Cia Assessoria em RH, Mário Vieira Serra, destacou algumas motivações para a insatisfação constante:

– problemas no presente;

– dificuldade de focar nas coisas boas do momento;

– aprendizado com os pais ou por quem os criou que a vida deve ser vivida dessa forma;

– sonhar com o futuro ideal, sem condição de viver o presente real.

Como sair dessa bolha?

Serra diz que a pessoa insatisfeita pode estar passando por dois processos na vida: a insatisfação com ela mesma ou a compulsão por reclamar.

A mania de queixar-se negativamente pode acarretar problemas para a saúde. O psicólogo explica que: “Tendo essa postura ela vai levar uma vida sempre negativa, se autodestruindo e podendo cair em profunda depressão”.

A mudança, para esses casos, deve vir de dentro para fora. A pessoa deve olhar para si mesma na busca de entender o que lhe causa um estado permanente de insatisfação.

A partir da percepção de que há um problema é que deve vir a mudança, que, às vezes, precisará ser orientada por um profissional da área da psicologia, que irá estudar a vida da pessoa para descobrir o motivo da insatisfação.

Só assim ela conseguirá enxergar as coisas boas que existem em sua vida e ao seu redor. Por mais problemas que se tenha, também há muitas coisas boas acontecendo. E quando as vemos e as valorizamos, a nossa vida ganha sentido e leveza.

Especialmente indicado para você:

5 ATITUDES QUE PODEM TE AJUDAR A DAR UM JEITO NA DEPRESSÃO

ÓRGÃOS E EMOÇÕES: A QUE EMOÇÃO CADA ÓRGÃO CORRESPONDE?

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *