Tratamentos de baixa qualidade matam mais que ausência de terapias

Tratamentos de baixa qualidade matam mais que ausência de terapias

O número de mortes causadas por cuidados de saúde de má qualidade é 5 vezes superior ao total de mortes anuais por HIV e AIDS, e 3 vezes superior às vítimas de diabetes. Isso equivale a 5 milhões de mortes por ano em 137 países de baixa e média rendas por conta da má qualidade dos serviços de sanidade nestes locais.

Isto é o que fora revelado pela nova análise da The Lancet Global Health Commission sobre os sistemas de saúde. A comissão realizou um projeto de dois anos que reuniu 30 acadêmicos, formuladores de políticas e especialistas em saúde de 18 países. Eles examinaram a qualidade dos sistemas de saúde em todo o mundo e descobriram, o que era de se intuir, que os tratamentos são praticamente os mesmos em todos os lugares. Mas, o mais perturbador é que os de má qualidade são ainda mais prejudiciais do que a própria ausência de tratamento. Segundo o estudo, além dos 5 milhões de óbitos já mencionados, há 3,6 milhões de vidas perdidas devido ao acesso insuficiente às terapias de cura.

Este é o primeiro estudo que quantifica a carga de sistemas de saúde de baixa qualidade em todo o mundo.

Utilizando os números de um estudo feito pela Global Burden of Disease 2016, os autores analisaram dados de 61 diferentes condições de saúde e calcularam o “excesso de mortalidade” observado os pacientes de países de baixa e média rendas, ou seja, o risco adicional de morte nesses países em comparação com os correspondentes riscos nos países de alta renda e com fortes sistemas de saúde. Entre os 5 milhões de mortes atribuídas à má qualidade do atendimento recebido, 1,9 milhões, ou quase 40%, ocorreu no Sul da Ásia, o que inclui Índia, Paquistão e Afeganistão.

“A má qualidade dos cuidados de saúde foi um importante fator de “excesso de mortalidade” em todas as condições, das doenças cardiovasculares e lesões às doenças neonatais e transmissíveis”, explicam os cientistas.

Serviços sanitários de má qualidade é uma das principais causas de mortes em todas as condições nos países de baixa e média rendas: 84% das mortes por doenças cardiovasculares, 81% das doenças evitáveis, 61% das doenças que afetam mães jovens e lactentes, acidentes estradais, tuberculose, HIV e outras doenças infecciosas.

“Mesmo se os esforços para estender a cobertura de saúde universal continuem a impulsionar a agenda da saúde global, esses números nos lembram que abordar a qualidade dos sistemas de saúde deve ser uma prioridade”, disse Joshua Salomon, professor de medicina, membro da comissão da Stanford Health Policy e autor sênior deste estudo da The Lancet.

É aquilo que sabemos em nossa pele: não adianta apenas dar acesso à população aos serviços sanitários públicos e gratuitos. É preciso oferecer qualidade neste serviços. Triste realidade.

Talvez te interesse ler também:

CONHEÇA OS CONTRACEPTIVOS DADOS GRATUITAMENTE PELO SUS

AS NOVAS TERAPIAS ALTERNATIVAS OFERECIDAS PELO SUS. AGORA SÃO 29!

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *