Mulheres que acordam cedo têm menor risco de depressão. Entenda porquê

Veja bem, chega de boatos e de falsos mitos, dormir e acordar com o cantar do galo nos preserva da depressão. Talvez um par de olheiras a mais, mas, ao que parece, pelo menos acordar cedo nos mantém longe dos pensamentos ruins e dos estados depressivos da alma.

Pelo menos é o que diz um estudo da Universidade do Colorado em Boulder e do Brigham and Women’s Hospital em Boston, segundo o qual as mulheres “matineiras” teriam menos probabilidade de se desmoralizarem em relação às corujas (ou seja, aquelas que ficam acordadas até tarde da noite e por consequência acordam também tarde).

O estudo foi realizado durante 4 anos em pouco mais de 32 mil mulheres com idades média de 55 anos. Os pesquisadores descobriram que aquelas que acordavam cedo são menos propensas a caírem em depressão. Isso se deve, em grande parte, não a fatores ambientais ou estilo de vida, mas à influência da exposição à luz do dia, o que reduz o risco de depressão entre 12% e 27%.

A pesquisa revelou também que aquelas que acordam cedo também são menos propensas a serem fumantes e a terem hábitos de sono não regulares.

Vários estudos já haviam vinculado a exposição solar à saúde mental. Por exemplo, confundir ciclos normais de luz e escuridão dormindo durante o dia e ficar acordado à noite, com luz artificial, pode perturbar o metabolismo do corpo. Na verdade, há também uma condição chamada transtorno afetivo sazonal ou SAD, também conhecida como blues de inverno, caracterizada por uma verdadeira “letargia” e sentimentos de tristeza e desespero que surgem quando o tempo nos obriga a ficar mais vezes em ambientes fechados, com pouca exposição à luz natural.

A luz solar também desempenha um papel importante na regulação do humor. Um neurotransmissor importante no cérebro, a serotonina, é mais abundante em dias ensolarados do que em dias nublados e esse efeito permanece, independentemente de quão frio ou quente esteja o clima. Níveis mais altos de serotonina estão relacionados a melhores estados de humor e sentimentos de satisfação e calma, enquanto níveis mais baixos estão associados à depressão e ansiedade.

Portanto, é de se supor que as pessoas, em geral, que acordam cedo de manhã correm menos risco de depressão. Por outro lado, os especialistas deste estudo apontam que ser uma coruja noturna não significa necessariamente correr um grande risco de depressão. O que os estudiosos quiseram estudar era o efeito do cronótipo de uma mulher e sua ligação com o risco de depressão.

Segundo a principal autora do estudo, Céline Vetter,

“Pode haver um efeito cronótipo no risco de depressão, sem que tudo isso seja influenciado por fatores ambientais e estilo de vida”,

reservando para o futuro uma análise mais precisa da contribuição dos modelos de luz e da genética na ligação entre o cronótipo e a depressão.

(Cronótipo é o ritmo corporal variável segundo a disposição inata da pessoa, que de acordo com as horas mais propícias para acordar e dormir apresenta maior ou menor rendimento em suas atividades nos períodos da manhã ou da tarde).

De qualquer forma, manter um estilo de vida saudável continua sendo sempre o segredo do bem-estar.

Sobre depressão, talvez te interesse ler também:

DEPRESSÃO: 10 COISAS QUE VOCÊ NUNCA DEVE DIZER À QUEM ESTÁ DEPRIMIDO

MAGNÉSIO TÃO BOM QUANTO OS REMÉDIOS PARA ANSIEDADE E DEPRESSÃO

5 DOENÇAS QUE PODEM SER CONFUNDIDAS COM DEPRESSÃO

A DEPRESSÃO SERÁ A DOENÇA MAIS COMUM NO FUTURO. E AGORA?

INTESTINO E DEPRESSÃO: UMA QUESTÃO DE LIMPEZA

greenMe.com.br é uma revista brasileira online, de informação e opinião Editada também na Itália como greenMe.it