Ataque cardíaco e AVC: descoberto um novo fator de risco mais perigoso que o colesterol

  • atualizado: 
Ataque cardíaco e AVC

Ataque cardíaco e acidente vascular cerebral, duas circunstâncias perigosas que comprometem seriamente nossas vidas. Algumas vezes estes acidentes acontecem de forma repentina, e em pessoas aparentemente saudáveis. Agora, a descoberta de um novo, e sério, fator de risco, poderia explicar tais fenômenos.

Poucas pessoas, mesmo as do campo da medicina, ouviram falar do CHIP, mas o que está emergindo em nível científico é que seria esse, que em termos técnicos é conhecido como potencial hematopoiese clonal indeterminado, uma das principais causas de ataque cardíaco e de acidente vascular cerebral fulminantes e mortais.

Trata-se basicamente de uma mutação de algumas células-tronco que aumentaria o risco de passar por estas circunstâncias desagradáveis em ​​até 40-50%.

A descoberta fundamental poderia explicar os casos de acidente vascular cerebral e de ataques cardíacos em pessoas jovens, e aparentemente muito saudáveis ​​que, até agora, eram casos que permaneciam um pouco misteriosos. Na verdade, é comum ouvir histórias de pacientes que, apesar de haver níveis normais de colesterol e de pressão arterial, não fumar ou ter diabetes ou familiaridade com doenças cardiovasculares, e que de repente sofreram um ataque cardíaco ou AVC que os levou à morte.

De acordo com os especialistas que identificaram a mutação (múltiplos grupos de pesquisa independentes), de fato, o CHIP seria mesmo um fator de risco mais perigoso do que o colesterol alto. É por isso que estamos falando de uma descoberta fundamentalmente importante no campo da cardiologia.

O Dr. Benjamin Ebert, presidente de oncologia médica do Dana-Farber Cancer Institute, foi o primeiro a notar a ligação entre a presença do CHIP e o aumento do risco de ataque cardíaco. A grande surpresa foi quando os pesquisadores analisaram os prontuários clínicos de pessoas com estas mutações de glóbulos brancos, e encontraram 54% de chance de morrer na próxima década por causa de um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral, em comparação com pessoas sem CHIP. O risco aumentava em até quatro vezes naqueles que já sofreram ataques cardíacos em suas vidas.

Entre outras coisas, o Dr. Ebert acredita que é plausível que o CHIP possa estar envolvido com outras doenças inflamatórias, como a artrite.

Infelizmente, os estudiosos argumentam que esta mutação não é uma condição tão rara e que se torna mais provável com a idade. Até 20% das pessoas com mais de 60 anos têm e provavelmente 50% daqueles que atingem 80 anos de idade.

Conforme afirmado por Kenneth Walsh, que dirige o centro de biologia hematovascular na Faculdade de Medicina da University of Virginia School:

"Parece haver apenas dois tipos de pessoas no mundo: aqueles com hematopoiese clonal e aqueles que estão prestes a desenvolver hematopoiese clonal".

Os especialistas acreditam que as mutações são adquiridas, não herdadas, e isso é provável devido à exposição às toxinas, como a fumaça de cigarro e outros poluentes. Portanto, os pacientes têm poucas chances de se defenderem.

Por enquanto, os médicos não recomendam testes para avaliar a presença do CHIP, uma vez que não há nada específico para reduzir o aumento dos riscos de doenças cardíacas.

Talvez te interesse ler também:

AVC - RECONHECER OS PRIMEIROS SINAIS E O ENCAMINHAMENTO RÁPIDO SALVA VIDAS

INFARTO: 20 SINTOMAS QUE NÃO DEVEMOS IGNORAR

siga brasile pinterest

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

siga brasile instagram

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!