Childfree: qual o limite para proibir presença de crianças em locais públicos?

Childfree: qual o limite para proibir presença de crianças em locais públicos?

Por muito tempo era comum que os adultos casassem e tivessem filhos. Era isso o que as pessoas esperavam quando se atingia determinada idade. No entanto, a mentalidade de que todos têm que seguir o mesmo caminho foi mudando, e isso é muito bom. Ninguém deveria ser obrigado a seguir um rumo que não quer. Como, por exemplo, ter filhos. Respeitar a vontade alheia é saudável e desejado. Agora, uma pausa nesse pensamento, para inserir outro sobre o direito de ir e vir, de conviver com as diferenças, de entender que os espaços são de todos, não de alguns, selecionados.

O desejo por uma sociedade livre de crianças

Pois bem, existe uma corrente que defende o direito de não precisar conviver com crianças, nos espaços públicos. Os “Child Free”, inicialmente, eram pessoas que não queriam ter filhos, mas o conceito se expandiu para o desejo por uma sociedade livre das crianças. Já existem estabelecimentos, como hotéis, restaurantes e pousadas, em diversos países, que restringem a presença do público infantil como forma de atrair clientes que querem “paz” e “tranquilidade”.

Porém existe uma reflexão que precisa ser feita? É correto restringir o direito de ir e vir das crianças em nome de um desejo particular discriminatório e proibitivo?

Crianças são cidadãos. Fazem parte da sociedade. Estão em uma fase da vida – que todos passaram, por sinal, – de intenso desenvolvimento e aprendizado, e, mais do que isso, têm habilidades que adultos não costumam ter: a falta de preconceitos de qualquer espécie é uma delas. A generosidade com o próximo é outra. A criatividade e a energia são outras.

Crianças não são acessórios, são seres humanos, e precisam ser expostos ao convívio social para aprenderem justamente a conviver com todos. Somente por meio da experiência a criança é capaz de aprender a se “comportar” em público. E os pais também têm que ter o seu direito de sair e frequentar tais lugares. A partir do momento que se restringe o acesso dos filhos pequenos a determinados lugares, existe uma segregação não somente a eles, mas aos pais também, e, principalmente, às mães, que ainda são as maiores cuidadoras.

Tolerância não se aprende com proibições, mas com exposição. E isso vale para as crianças, que estão aprendendo, e para adultos, que talvez nunca tenham aprendido essa importante ferramenta social. Discriminar o outro por “incomodar” é algo que não pode, de modo algum, ser louvado, sob pena de voltarmos a uma época em que segregar determinados grupos, como negros, gays, judeus, era algo aceitável. Nunca deve ser. O outro existe e é preciso lidar com ele. O mundo em sociedade deixa de ser viável se cada um acreditar que seus desejos pessoais são mais importantes do que os coletivos.

Criancices

Ademais, ambientes Child Free ainda contam com a presença de outra categoria igualmente difícil: os adultos, que podem, e geralmente são, muito mais desrespeitosos e incômodos do que as crianças. A diferença talvez seja que os adultos têm poder de se defender sozinhos, crianças não. Por isso parece fácil atacar alguém tão vulnerável. O respeito à decisão de não ter filhos é o mesmo respeito à decisão de tê-los. Por isso o discurso dos Child Free soa até contraditório. Eles querem ter a liberdade de escolha, mas querem restringir a dos outros. Não faz sentido.

Crianças devem sim aprender regras de convivência em sociedade, e os cuidadores devem ensiná-las sobre isso. Mas crianças sempre serão crianças, e podem chorar alto no restaurante por estarem cansadas, ou mesmo se atreverem a dar um sorriso bem aberto para o desconhecido da poltrona ao lado, no avião. Cabe aos pais, é claro, administrar essas “criancices” da melhor forma e educar os pequenos sobre o que é estar em comunidade. Mas essa mesma comunidade precisa ser receptiva a elas. E aceitar que elas também podem – e devem – passear, viajar, comer em restaurantes.

Tolerância é saber lidar, e não proibir. Medidas autoritárias nunca são a solução.

Talvez te interesse ler também:

Parece fofo, mas não é! Adultizar crianças é feio e prejudicial

‘Afeto não é coisa, mas sentimento’ – Pai é obrigado a indenizar R$120 mil aos filhos por abandono

Reconheçamos o direito das crianças de não serem campeãs

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *