O Brasil chora por Ágatha: vida na favela importa

O Brasil chora por Ágatha: vida na favela importa

De acordo com dados fornecidos pelo Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, a polícia nunca matou tanto quanto agora. A informação foi divulgada pelo O Globo nesse domingo (22), quando o corpo da menina Ágatha Vitória Sales Félix, de 8 anos, foi enterrado no Cemitério de Inhaúma, na Zona Norte do Rio.

Morta na noite de sexta-feira (21), depois de ser atingida por um tiro nas costas quando estava dentro de uma kombi no Conjunto de Favelas do Alemão, a tragédia que chocou o Brasil revela, mais uma vez, a vulnerabilidade da população pobre e negra das periferias do país.

A família e testemunhas que se encontravam no local negaram a afirmação da polícia de que havia um confronto no momento dos disparos. O avô de Ágatha, que acompanhava a menina, deu uma declaração emocionante:

“Foi a filha de um trabalhador, tá? Ela fala inglês, tem aula de balé, era estudiosa. Ela não vivia na rua não. Agora vem um policial aí e atira em qualquer um que está na rua. Acertou minha neta. Perdi minha neta. Não era para perder ela, nem ninguém”, disse.

A fala desse homem da periferia no momento em que recebe a notícia da morte da neta é muito reveladora da desigualdade estrutural da nossa sociedade e repete um padrão que não pode passar despercebido: frequentemente, quando famílias pobres, negras, da periferia perdem seus entes queridos devido à ação de agentes do Estado, em meio à mais profunda dor, elas se veem na obrigação de justificar que são honestas e que não mereceriam morrer. Podem reparar.

Aconteceu com os cinco jovens fuzilados quando saíram para comemorar o primeiro emprego de um deles. Aconteceu com o garçom Rodrigo Alexandre da Silva Serrano, de 26 anos, quando, há um ano, esperava a mulher em um ponto de ônibus com um guarda-chuva que foi confundido com um fuzil. Aconteceu também com Hélio Ribeiro, em maio de 2010, quando ele usava uma furadeira para consertar o telhado de casa. Este ano, ficamos chocados com a morte do músico Evaldo Rosa dos Santos, morto em uma ação do Exército brasileiro.

Todos casos de pessoas consideradas suspeitas a priori, por causa da condição social, do CEP e da cor da pele. A repercussão que receberam mostra que, pelo menos aparentemente, a vida nas favelas importa para muita gente. Nas redes sociais, foram muitas as homenagens à menina Ágatha.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Eu estou com minha alma em prantos com a morte de Agatha. A morte dela espelha o desprezo que o governador tem pela vida de pessoas que vivem na periferia. Minha alma fica em prantos porque ela não é a primeira vítima desse desprezo por corpos negros. Se tudo continuar como se fosse “normal”, Agatha não será a última a morrer por conta dessa política de extermínio. Me dói porque virão aqui dizer “e os policiais mortos?” Como se eu não me importasse com suas vidas. Distorcem com muita maldade as palavras… Tem sido assim… Mas eu não tolero nenhuma morte!!! Esse caminho de dar tiro em vez de dar respeito e dignidade às pessoas que vivem em comunidades. Não está dando certo! As penitenciárias cada vez mais lotadas. De quem? De pretos, de pobres. Porque será que é tão difícil de entender que isso tem a ver com racismo? Por não considerarem corpos negros. A zona sul cada vez mais sitiada. Não está dando certo ! Carros blindados, condomínios fechados. Não está dando certo. O que falta pra gente entender que a morte de Agatha é o fracasso dessa indiferença? Estou cá escrevendo numa torrente. Minha solidariedade à família de Agatha, aos vizinhos de Agatha. Não há nada que justifique essa morte. Não está dando certo. . . Ilustração: @peveazevedo

Uma publicação compartilhada por Camila Pitanga (@caiapitanga) em

 

 

 

Mas por que continuamos a matar nosso povo? Por que apesar dessa sucessão de choques, de morte após morte,  permanece o status quo e as políticas violentas em nossa sociedade?

Até hoje, feito nossos antepassados colonizadores, parecemos repetir a crença de que algumas vidas valem menos que outras. Será possível evoluir mantendo esse tipo de mentalidade?

É por isso que intelectuais, como o sociólogo Jessé de Souza, vêm insistindo que o maior problema do Brasil é a nossa conta ainda aberta com a escravidão. São as correntes desse passado se arrastando pelo presente que comprometem nosso futuro como Nação.

Um futuro que jamais chegará se não olharmos para essa história de dor, se não olharmos para as feridas abertas e não estancarmos esse sangue negro que jorra das favelas e nos mancha por inteiro, a todos, sem exceção.

Talvez te interesse ler também:

DADOS DA VIOLÊNCIA NO BRASIL: ASSASSINATOS CAÍRAM 11% MAS MORTES POR POLICIAIS AUMENTARAM 19%

O NÓ DA ARMA: POR UMA CULTURA DA NÃO VIOLÊNCIA

QUEM MATOU MARIELLE? 5 PESSOAS SÃO ACUSADAS DE OBSTRUIR AS INVESTIGAÇÕES

Fonte foto: arquivo familiar El Pais

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *