A balbúrdia das universidades federais quando o assunto é meio ambiente

A balbúrdia das universidades federais quando o assunto é meio ambiente

No final de abril deste ano, a declaração do ministro da Educação de que cortaria verbas das universidades públicas por promoverem “balbúrdia” provocou diversas reações. Nas redes sociais, multiplicaram-se os compartilhamentos de notícias sobre ações realizadas nas instituições de ensino superior com impacto direto na vida da população. Elas se referem às mais diversas áreas, como saúde e educação, cultura.

Duas notícias recentes evidenciam a importância das universidades também quando o assunto é meio ambiente e sustentabilidade. Uma delas é justamente sobre a Universidade Federal Fluminense, uma das três instituições citadas por Abrahan Weintraub na ocasião. Segundo informações publicadas pelo jornal O Globo, a cidade de Niterói ganhará um Centro de Referência em Sustentabilidade Urbana (Cersu), administrado em consórcio entre a Prefeitura da cidade e a Uff.

A previsão é de que o processo de licitação para as obras do Cersu, previsto para começar em agosto, seja concluído em dois meses. O projeto inclui a construção de dois prédios no vale do Jacaré, no Parque Estadual da Serra da tiririca, que contarão com iluminação e ventilação naturais, reuso de água e geração de energia solar. As instalações abrigarão duas equipes de médicos de família e cursos de tecnologias verdes ministrados pela Uff, que contará com um Centro de Pesquisa e Extensão no local.

A feira orgânica da UFJF

Já a Universidade Federal de Juiz de Fora publicou no Dia do Trabalhador Rural uma matéria sobre a Feira Orgânica que acontece toda segunda-feira, das 16h às 19h, em seu campus principal.

A iniciativa é promovida pela  Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (Intecoop), um programa de extensão da universidade que reúne a comunidade acadêmica, trabalhadores de Juiz de Fora e produtores rurais de cidades vizinhas. A proposta é oferecer alimentos sem agrotóxico à população, bem como a oportunidade de aproximar produtores e consumidores.

A publicação da UFJF conta também um pouco da história desses produtores e sobre a decisão de alguns deles de abandonar o uso de agrotóxicos para se dedicarem ao cultivo de orgânicos. Além disso, a universidade aproveitou a ocasião para lembrar dos riscos dos agrotóxicos para a saúde:

“O Relatório Nacional de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos, de 2018, aponta que a maior parte da população brasileira está exposta à contaminação de agrotóxicos e isso já se tornou um problema de saúde pública. Dentre os riscos  dos agrotóxicos à saúde humana, segundo o Ministério da Saúde, estão: desregulação hormonal, impotência, infertilidade, câncer e distúrbios cognitivos e comportamentais”.

Por outro lado, o texto ressaltou os benefícios do cultivo e consumo de alimentos orgânicos:

“O cultivo orgânico e agroecológico produz alimentos de fato saudáveis, respeita a natureza e contribui para a melhoria das condições sociais dos trabalhadores rurais, que passam a ter mais autonomia”.

Talvez te interesse ler também:

DO MUNDO INTEIRO, MILHARES DE ACADÊMICOS PROTESTAM CONTRA CORTE DE VERBAS PARA UNIVERSIDADES DO BRASIL

CHOLITAS: MULHERES INCRÍVEIS QUE LUTAM PARA VENCER O PRECONCEITO DE GÊNERO

PARA CONSERVAR FRUTAS SEM UTILIZAR AGROTÓXICOS, ESTUDANTE BRASILEIRO CRIA CONSERVANTE NATURAL

Gostou? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on reddit
Share on pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *