Maria da Penha indicada para Nobel da Paz em 2017

  • atualizado: 
Maria da Penha

Maria da Penha, a farmacêutica cujo exemplo de luta possibilitou a criação da Lei Federal nº 11.340/2006 para proteção às mulheres vítimas de violência, lei que leva seu nome, foi indicada para Prêmio Nobel da Paz 2017 junto com nomes tão queridos como o do Papa Francisco.

Maria da Penha é um símbolo da luta contra o feminicídio, contra a violência “permitida” por uma sociedade machista, dominante e agressiva que se omite em casos terríveis, que tem na sua cultura o “crime por defesa da honra” permitindo que maridos matem esposas, motivos fúteis que só escondem a realidade de uma escravidão sexista.

Leia mais: COMO OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO AJUDAM A PROMOVER O MACHISMO

A história de Maria da Penha com a violência doméstica ocorreu no início da década de 1980, com duas tentativas de homicídio perpetradas pelo então cônjuge, que a deixaram paraplégica. Seguiu-se uma luta judicial que durou 19 anos até que ele fosse preso. Seu caso foi encaminhado para a Comissão Interamericana dos Direitos Humanos para que a pressão internacional possibilitasse a prisão do criminoso (que foi solto poucos anos depois).

A Lei Maria da Penha é considerada a terceira melhor lei do mundo no combate à violência doméstica.

Maria da Penha milita na luta contra a violência doméstica e o feminicídio e dirige o Instituto Maria da Penha que presta auxílio a todas as mulheres que precisem de orientação e proteção.

O resultado da premiação para o Nobel da Paz 2017 será divulgado em outubro próximo. Maria da Penha concorre, nesta premiação, com outras 214 pessoas e 103 organizações. O que vale é estar concorrendo, o que vale é a luta que esta guerreira não deixou, nunca, de lutar. O que vale é sua garra e integridade.

Especialmente indicado para você:

seta

SOMENTE NO SUS, A CADA 4 MINUTOS, 1 MULHER VÍTIMA DA VIOLÊNCIA É ATENDIDA

setaLEI MARIA DA PENHA DIMINUI VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

seta“UNA-SE PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES”- 25 DE NOVEMBRO 2016

setaSAIBA COMO PROCEDER EM CASOS DE CRIME DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Fonte foto capa: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil