Dia Internacional da Amizade: “amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito”

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin

Como diz aquela canção: “amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito”.

A amizade é tão fundamental para a existência que foi dedicada a ela uma data: em 30 de julho se celebra o Dia Internacional da Amizade. No Brasil, a data também é comemorada em 18 de abril em caráter não oficial como o Dia do Amigo.

O Dia Internacional da Amizade foi estabelecido pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 27 de abril de 2011, com o intuito de propagar a cultura e a paz entre os povos.

Conexão física e espiritual

A amizade é tão vital que faz bem para a saúde. Uma pesquisa da Universidade de Oxford confirmou que os amigos ajudam a suportar melhor a dor e afastar a depressão.

A causa é que, estando junto com um amigo, endorfinas são liberadas em nosso corpo, dando-nos sensação de bem-estar.

A pesquisadora Katerina Johnson, coordenadora do estudo, explica que:

“Os resultados são interessantes também porque pesquisas recentes sugerem que o circuito de endorfinas pode ser interrompido em distúrbios como a depressão, e isso também poderia explicar por que as pessoas deprimidas muitas vezes fazem uma vida socialmente mais retraída”.

O experimento mostrou que aquelas pessoas que tinham mais amigos eram mais capazes de tolerar a dor. Os amigos funcionariam como uma espécie de analgésico natural, por aliviarem dores físicas e emocionais.

Dimensão ética

A amizade é coisa raríssima e o lamento filosófico de Montaigne “Ó meus amigos, não há nenhum amigo” é um testemunho disso, sobretudo, quando proliferam-se “amizades” nas redes sociais. A aparente contradição filosófica desvela que quem tem muitos amigos não tem nem um.

A amizade é um assunto tão fundamentalmente vital que existe uma tradição filosófica que se dedicou a ela: Aristóteles, o próprio Montaigne, Platão e, mais recentemente, Jacques Derrida, entre outros.

Em grego, existem as palavras “amor” (eros) e “amizade” (philia). O valor desta era enaltecido em poemas épicos e trágicos para mostrar a força de um dos vínculos mais fundamentais para o homem. Com Aristóteles dá-se início à tentativa de definir os contornos que distinguem “eros” e “philia”, que para os gregos não eram muito nítidos.

Platão levanta a questão de a natureza da amizade ser a reciprocidade entre os amigos. Isso porque o amor erótico pode ser unilateral e jamais realizado; na amizade, porém, isso é inconcebível. Logo, a amizade é uma forma de alteridade radical, porque nos coloca sempre diante de um outro, o amigo, que se apresenta como um “outro eu”.

O amigo é aquele, portanto, que nos desperta e nos captura de nós mesmos, nascendo daí um encontro ético. O outro eu, o amigo que me interpela, me convida para um ato responsivo e responsável. Esse sair de si nunca é fácil: é um encontro com o outro que, no fundo, é um encontro consigo.

A amizade, como dimensão afetiva de acolhimento, revela-se como respeito ao outro em toda a sua alteridade. Dois sujeitos se colocam em condição de igualdade para se relevarem. Um se torna refém do outro, sem que com isso aponte o medo da captura; pelo contrário, a amizade é um ato de entrega.

Se a reciprocidade é a essência da amizade, conforme suspeitavam os gregos, ela está revestida de uma dimensão ética, pois a amizade é uma forma de con-viver, ou seja, de viver junto. Através de uma vida comum, os amigos esperam viver bem pelo bem um do outro.

Se você tem um amigo, agradeça por esse milagre e guarde-o “debaixo de sete chaves”.

Talvez te interesse ler também:

Condividi su Whatsapp Condividi su Linkedin
É doutora em Estudos de Linguagem, já foi professora de português e espanhol, adora ler e escrever, interessa-se pela temática ambiental e, por isso, escreve para o GreenMe desde 2015.
Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!

Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Siga no Instagram
Siga no Facebook