Grã-Bretanha: nada de gasolina e diesel a partir de 2040

  • atualizado: 
carro-verde

A Grã-Bretanha segue o exemplo da França e de outros países europeus e promete proibir a circulação de veículos movidos à gasolina e à diesel a partir de 2040.

Depois que, em julho, o ministro francês do Meio Ambiente, Nicholas Hulot, declarou sua intenção de acabar com os carros à gasolina e à diesel em até 2040, o Reino Unido agora também quer desempenhar seu papel no combate ao problema da poluição atmosférica.

O ministro britânico do Meio Ambiente, Michael Gove, anunciou sua intenção de proibir os veículos "antigos" e poluentes dentro de um vasto plano de 3 bilhões de libras, que prevê para março do próximo ano uma série de medidas para reduzir os níveis de dióxido de carbono no ar. Entre estes: melhorias nos transportes públicos, modernização dos táxis e novos caminhos para ciclistas e pedestres.
 
O governo britânico comprometeu-se em investir 2,7 bilhões de libras para melhorar a qualidade do ar no país. Os outros £ 250 milhões serão alocados às autoridades locais para combater as emissões de dióxido de nitrogênio (NO2) causadas pelos veículos a diesel.

Mais ou menos todos os países da União Europeia estão se mobilizando para enfrentar o problema da poluição atmosférica, especialmente nas grandes cidades e, um dos sistemas implementados é precisamente os que propõe mudanças substanciais no transporte. Entre as medidas discutidas, está aquela que quer proibir a venda de carros e outros veículos movidos à gasolina ou à diesel, favorecendo um meio de transporte mais sustentável.

A Grã-Bretanha no entanto, pretende ir ainda mais longe e proibir também os carros híbridos, ou seja, aqueles equipados com motores duplos, térmicos e elétricos.

A ambição do governo britânico é tornar-se país líder no uso dos veículos elétricos, que atualmente representam apenas 1% do total de vendas de veículos na Grã-Bretanha.

As boas intenções, no entanto, não são suficientes para os grupos ambientais britânicos que acreditam que essas propostas ainda são insuficientes para acabar com o problema, especialmente no curto prazo. Como declarou Areeba Hamid do Greenpeace UK:

"As crianças em todo o Reino Unido continuarão a ser expostas à poluição atmosférica prejudicial nos próximos anos, com impactos potencialmente irreversíveis. A visão a longo prazo não é suficiente, Gove tem que proteger nossa saúde da fumaça tóxica que está poluindo as ruas agora.”

Além da França, a Noruega comprometeu-se em proibir os transportes privados mais poluente dentro de um prazo mais próximo: 2025. O governo holandês fez o mesmo. Outros países como Itália, por exemplo, estão um pouco atrasados e, por ora, apenas incentivam a compra de automóveis elétricos com desconto fiscal e outros benefícios econômicos.