Em 2019 as primeiras (e inquietantes) estrelas-cadentes artificiais

Estrelas-cadentes ou, melhor dizendo, meteoros. Os sugestivos fragmentos de materiais que vagueiam pelo espaço, que se iluminam ao entrar em contato com a atmosfera terrestre, nos dão aquela sensação de que o céu nos brinda com fogos de artifício naturais e inesperados. Naturais, pelo menos até agora pois, uma empresa japonesa está trabalhando para criá-las artificialmente.

A empresa chama-se Ale e o seu objetivo é produzir chuvas de estrelas-cadentes mediante pagamento. Uma ideia que, ao momento do seu lançamento, parecia muito longe e pouco realista, mas, infelizmente, está mais perto de se realizar do que podemos imaginar.

Atualmente, a empresa está a um bom caminho de produzir a primeira chuva de meteoritos artificiais no mundo. De acordo com a fundadora e CEO da Ale, Lena Okajima, em 2019, o primeiro Shooting Star Challenge, um teste de lançamento de meteoritos, será efetuado na área de Setouchi, na Prefeitura de Hiroshima.

Inquietante para dizer o mínimo. As estrelas-cadentes artificiais serão fragmentos de detritos espaciais de alguns milímetros de dimensão a alguns centímetros de espessura. Como as estrelas-cadentes naturais, elas irão voar para a atmosfera da Terra, atiradas por um satélite em forma de cubo, em uma porção bem delimitada de céu, queimando e tentando imitar o que acontece com os meteoros verdadeiros.

No entanto, uma vez que os fragmentos de Ale são artificiais, eles poderão ser projetados para queimarem por mais tempo e serem ainda mais brilhantes do que os meteoros naturais, inclusive o cliente poderá escolher a cor, e eles poderão ser visíveis dentro de um raio de 100 quilômetros.

Para o Shooting Star Challenge, um satélite será colocado em órbita a cerca de 500 quilômetros acima da Austrália. A partir dali os detritos irão para o Japão, e levarão cerca de 15 minutos para chegarem a uma altura de 60 quilômetros acima de Setouchi. E aí começa o “espetáculo”

De acordo com a empresa, um único satélite de 60 centímetros pode conter de 300 a 400 fragmentos para serem disparados no céu até o final da vida da aeronave em órbita, por cerca de um ano.

estrela cadente falsa 2

estrela cadente falsa 3

Fonte fotos

E por mais incrível ainda que pareça, Ale também está recebendo apoio de instituições importantes como a Universidade de Tohoku e a Universidade Metropolitana de Tóquio, bem como sendo financiada por empresas como FamilyMart e JAL.

Existe inclusive a hipótese de que a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de 2020 poderia ser animada por esses falsos meteoros, notícia não confirmada e que parece absurda. Mas ao que tudo indica, a Ale está mesmo planejando usar suas estrelas-cadentes sob demanda para grandes eventos e celebrações ao ar livre.

A Japan Airlines, uma das patrocinadoras, está planejando criar vôos especiais para levar essas estrelas feitas pelo homem aos seus passageiros. As perspectivas são perturbadoras, ou seja!

Enquanto isso, nós continuaremos a admirar o céu estrelado e a fazer pedidos quando virmos as verdadeiras estrelas-cadentes caírem…até que todos os nossos desejos sejam realizados…

Espalhe Amor
greenMe.com.br é uma revista brasileira online, de informação e opinião Editada também na Itália como greenMe.it